Está a formar-se uma “bolha” no turismo português, segundo o presidente da Vila Galé

Jorge Rebelo de Almeida considera que apesar de haver margens para baixar o preço na hotelaria, não vai acontecer. Pelo contrário, espera que a hotelaria melhore as ofertas, aumentando o preço.

O presidente do Grupo Vila Galé considera que há uma “bolha” a formar-se no setor do turismo em Portugal porque “nada cresce até ao céu”. Em entrevista à Antena 1 e Jornal de Negócios, Jorge Rebelo de Almeida alerta para a situação de valorização dos ativos, mas defende que ainda há a possibilidade de um crescimento sustentável.

“Há algum excesso de valorização dos ativos porque há muita gente a fazer investimentos por valores despropositados”, afirmou o presidente do Grupo Vila Galé sobre a situação atual do turismo, que diz estar a crescer forma inorgânica e sem estratégia.

Em entrevista à Antena 1 e Jornal de Negócios, Jorge Rebelo de Almeida diz que “o futuro passa por dar cada vez mais pelo melhor preço”, ou seja “um preço baixo”. Acrescentou que apesar de haver margens para baixar o preço na hotelaria, não vai acontecer porque não há necessidade de o fazer, como aconteceu na altura da crise. Pelo contrário, espera que a hotelaria melhore as ofertas, aumentando o preço.

Recomendadas

Preços predatórios continuam a dominar o setor da segurança privada

O problema do ‘dumping’ no negócio da segurança privada ainda não foi mitigado. A responsabilidade solidária imposta pela Lei da Segurança Privada, de julho, poderá contudo ser a solução.

Segurança privada. Contratação com prejuízo é uma prática generalizada

No geral, os preços de contratação da segurança privada continuam a ser feitos com prejuízo. A rentabilidade dos capitais próprios das empresas do setor é negativa e a lei da segurança privada impõe responsabilidade solidária ao cliente, o que pode contribuir para a redução das más práticas.

Diretiva Netflix: Cofina quer apostar na criação de conteúdos para exportar

À boleia das novas regras europeias que exigem que plataformas como a HBO ou a Netflix tenham 30% de conteúdos europeus, a Cofina espera “intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador”, após a compra da Media Capital, dona da Plural, produtora de conteúdos.
Comentários