Estado de Cabo Verde compra ações na Caixa Económica que empresário espanhol queria

Em causa estão os títulos da sociedade macaense Geocapital, cuja aquisição pela International Holding Cabo Verde, de Enrique Bañuelos de Castro, tinha sido aprovada pelo banco central.

O Estado de Cabo Verde vai adquirir as ações da sociedade macaense Geocapital na Caixa Económica de Cabo Verde, cuja aquisição pela International Holding Cabo Verde, do empresário espanhol Enrique Bañuelos de Castro, tinha sido aprovada pelo banco central. A 3 de maio, o Banco de Cabo Verde (BCV) informou que tinha aprovado a aquisição de participação de 27,44% das ações da Caixa Económica de Cabo Verde pela International Holding Cabo Verde (IHCV), considerando que esta garante “uma gestão sã e prudente” da instituição.

Segundo o BCV, a IHCV comunicou a esta entidade, em Julho do ano passado, a sua intenção de “adquirir ações representativas de até 30% do capital social da Caixa Económica de Cabo Verde”. Quatro meses depois, a GeoCapital – Gestão de Participações comunicou ao Banco Central cabo-verdiano a pretensão de “alienar as ações” que compunham a sua participação qualificada na Caixa Económica de Cabo Verde, representativas de 27,44% do capital social desta instituição financeira.

Após feitas as diligências previstas na lei, o conselho de administração do BCV deliberou, durante a reunião da sessão ordinária de 21 de dezembro de 2018, “aprovar a aquisição de participação qualificada correspondente a 27,44% das ações da Caixa Económica de Cabo Verde”.

Esta segunda-feira, o governo de Cabo Verde anunciou que vai realizar-se ao final do dia, na cidade da Praia, a assinatura do contrato de compra e venda das acções da Geocapital na Caixa Económica de Cabo Verde. “A totalidade dessas ações, 27,44% do capital da instituição, vai ser adquirida pelo Estado de Cabo Verde”, lê-se no comunicado do executivo cabo-verdiano.

Segundo a mesma nota, “esta iniciativa do governo enquadra-se no âmbito de transformar Cabo Verde num país plataforma de financiamento”.

A Caixa Económica foi criada a 18 de Maio de 1928, tendo na altura a designação de “Caixa Económica Postal”. Na altura, encontrava-se integrada no serviço dos “Correios e telegráficos”, com a tutela do Ministério das Telecomunicações. Em dezembro de 1985, foi transformada numa instituição financeira autónoma, com a designação de Caixa Económica de Cabo Verde, tutelada pelo Ministério das Finanças.

Ler mais
Recomendadas

Isabel dos Santos diz que Angola vive em “instabilidade”

“Estão a viver-se momentos difíceis, não há dúvida. Estamos a viver momentos de grandes dúvidas e o que é fundamental e importante é que se respeite o Estado de Direito. É muito importante que se respeitem as leis, é muito importante que não haja atropelos entre os três poderes, que as pessoas tenham confiança na Justiça”, diz empresária angolana.

Isabel dos Santos diz que não usa dinheiro público angolano para investir

“Trabalho com bancos em Cabo Verde, com bancos em outros países africanos, bancos que nos apoiam, que acreditam nos projetos, que acreditam na validade dos projetos que nós propomos. Portanto, tenho muitas dívidas”, afirma a empresária angolana.

Capital da CV Telecom vai ser dispersado em 2020

O ministro das Finanças de Cabo Verde, Olavo Correia, anunciou esta sexta-feira na conferência da Lusa que em 2020 o capital da CV Telecom será dispersado em bolsa, através de convite a empresas estrangeiras.
Comentários