Estado quer canalizar receita dos impostos do tabaco e das bebidas açucaradas das regiões autónomas para o SNS

A proposta de OE2019 prevê uma alteração ao atual artigo do Código dos Impostos Especiais de Consumo no que se refere ao Artigo 105.º (Taxas nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira), aumentando o imposto sobre o tabaco produzido nestas regiões. As receitas serão canalizadas para o SNS. Assim como as das bebidas açucaradas.

Lindsay Fox / www.ecigarettereviewed.com

Na proposta provisória do OE para 2019 o Governo aplica às Regiões Autónomas o principio sugerido este ano pelo presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, que publicamente recomendou que as receitas com o imposto sobre o tabaco fossem canalizadas para o Serviço Nacional de Saúde (SNS), significando quase um quinto do total do financiamento atual.

Este é um apelo antigo. Já em 2016 a Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma) queria que 10% da receita obtida com o imposto sobre o tabaco seja canalizada para financiar a inovação no Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O que diz agora a proposta de Lei de Orçamento de Estado para 2019?

Introduz um novo artigo ao Código dos Impostos Especiais de Consumo, intitulado: “Consignação da receita ao setor da saúde”. Nos termos do qual “conjugadamente, nos artigos 10.º e 12.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, a receita fiscal prevista no presente artigo reverte integralmente para o Orçamento do Estado, sem prejuízo da afetação às regiões autónomas das receitas fiscais nelas cobradas ou geradas”.

Isto porque a proposta de OE2019  prevê uma alteração ao atual artigo do Código dos Impostos Especiais de Consumo no que se refere ao Artigo 105.º (Taxas nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira)

A lei diz que aos “cigarros fabricados nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira por pequenos produtores cuja produção anual não exceda, individualmente, 500 t e que sejam consumidos na Região Autónoma dos Açores são aplicáveis as seguintes taxas: Elemento específico – (euro) 34; Elemento ad valorem – 40%”, e diz ainda que os cigarros ficam sujeitos, no mínimo, a 73% do montante do imposto que resulta da aplicação do disposto no n.º 5 do artigo 103.º [os cigarros estão sujeitos a um montante mínimo de imposto sobre o tabaco]”.

O imposto incidente sobre os cigarros tem dois elementos: um específico e outro ad valorem. O Governo propõe aumentar em 2019 a taxa ad valorem, mas também o imposto sobre os cigarros.

A Proposta de Lei n.º 22 b) do documento a que o Jornal Económico teve acesso refere um aumento do elemento ad valorem de 40% para 42%. e os cigarros ficam sujeitos, no mínimo, a 75% do montante do imposto que resulta da aplicação do disposto no n.º 5 do artigo 103.º, em vez dos atuais 73%.

Esta receita fiscal com os cigarros fabricados nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira por pequenos produtores cuja produção anual não exceda, individualmente, 500 t e que sejam consumidos na Região Autónoma dos Açores vai passar a ser consignada ao Serviço Nacional de Saúde.

Receitas com bebidas não alcoólicas (açucaradas) também vai para o SNS

Também a receita obtida com o imposto sobre as bebidas não alcoólicas previsto no artigo 87.º-A do Código dos IEC  – As bebidas destinadas ao consumo humano, adicionadas de açúcar ou de outros edulcorantes, abrangidas pelo código NC 2202;  As bebidas abrangidas pelos códigos NC 2204, 2205, 2206 e 2208, com um teor alcoólico superior a 0,5 /% vol. e inferior ou igual a 1,2% vol.; Concentrados, sob a forma de xarope ou outra forma líquida, de pó, grânulos ou outras formas sólidas, destinados à preparação de bebidas previstas nas alíneas anteriores, nas instalações do consumidor final ou de retalhista – vai ser consignada à sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde das Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores “conforme a circunscrição onde sejam introduzidas no consumo”.

” Para efeitos do n.º 1, a afetação às regiões autónomas das receitas fiscais nelas cobradas ou geradas efetua-se através do regime de capitação, aprovado por portaria do membro do Governo responsável pela área das finanças, ouvidos os Governos Regionais”, diz a proposta de OE.

“Os encargos de liquidação e cobrança incorridos pela AT são compensados através da retenção de uma percentagem de 3 % do produto do imposto, a qual constitui receita própria”, acrescenta a proposta de lei do OE.

 

Ler mais
Recomendadas

PS: Pedro Marques poupa palavras no metro de Lisboa mas reforça convicção na vitória

No nono dia de campanha do PS, Pedro Marques elegeu os passes sociais para apelar ao voto nas eleições europeias. Entre o desinteresse e a incerteza de quem passava, o ex-ministro promoveu a medida de reduzir o custo dos passes sociais e ouviu queixas. Mas não se alongou muito e optou por fazer a viagem quase sem falar com os passageiros.

Paulo Sande: “Vamos eleger dois eurodeputados do Aliança e será bom para o país ter uma nova atitude na Europa”

O cabeça-de-lista do novo partido Aliança expressa a sua confiança na obtenção de um bom resultado nas eleições europeias, sublinha a importância de “encontrar um equilíbrio” entre o federalismo e o soberanismo, propõe “deputados-sombra” para assegurar um maior escrutínio e quer que todas as normas europeias sejam avaliadas do ponto de vista do impacto ambiental.

Líder Trabalhista diz que não apoiará nova proposta de acordo de May

Theresa May apresentou hoje uma nova proposta para um acordo do ‘Brexit’, que levará ao Parlamento no próximo dia 03 de junho, mas precisa de uma maioria de deputados Conservadores e Trabalhistas para atingir o objetivo. Corbyn recusa “apoiar uma versão reaproveitada do antigo acordo”.
Comentários