Estados Unidos aplicam sanções a responsáveis políticos da Crimeia

Os Estados Unidos aplicaram sanções económicas a sete pessoas implicadas na organização, sob supervisão russa, das eleições na Crimeia, anexada ilegalmente por Moscovo, segundo o Departamento de Tesouro.

As sanções têm por alvo pessoas que organizaram as eleições locais, em 08 de setembro de 2019, na República Autónoma da Crimeia e em Sebastopol, o principal porto da península, território anexado por Moscovo em 2014.

As setes pessoas já tinham sido sancionadas pela União Europeia, na terça-feira, e o Canadá também alinhou neste procedimento, que procura atingir os interesses russos na região.

“A ação do Departamento de Tesouro, em coordenação com os nossos aliados e parceiros internacionais, destaca o nosso apoio inabalável ao regresso a processos democráticos, livres e justos na Crimeia”, escreveu o secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin.

As sanções coordenadas com a União Europeia e com o Canadá “enfatizam a força da aliança transatlântica, opondo-se à contínua agressão russa”, acrescentou Mnuchin, numa referência às preocupações da NATO com o problema da Crimeia e da tentação expansionista de Moscovo.

Entre as pessoas sancionadas encontram-se o primeiro-ministro da Crimeia, Iouri Gotsaniouk, o governador de Sebastopol e vários funcionários da comissão eleitoral do escrutínio de setembro passado.

Washington sancionou ainda uma empresa ferroviária que opera na Crimeia e o seu principal responsável.

Ler mais

Recomendadas

Açores em números. Economia regional representa 2% do PIB de Portugal

Uma casa neste arquipélago vale menos 146 euros por metro quadrado do que a média nacional. Só o município de Ponta Delgada tem poder de compra per capita superior à média do país. Estes e outros indicadores estatísticos neste retrato da região autónoma.

Banco central baixa previsão sobre queda da economia brasileira para 5%

As novas estimativas estão em linha com as projeções de agentes do mercado consultados semanalmente pelo Banco Central, que prevê uma retração económica de 5,05% no PIB brasileiro em 2020. O Brasil ainda recupera de uma grave recessão entre os anos de 2015 e 2016, período em que o PIB caiu sete pontos percentuais.

Wall Street aguenta, mas perdeu fôlego ao longo do dia

Os principais índices do outro lado do Atlântico estiveram a subir, mas no final do dia acabaram por ceder. Mesmo assim, dizem os analistas, os investidores continuam a confiar em novos estímulos à economia.
Comentários