Estados Unidos iniciam retirada do armamento militar da Síria

O anúncio surge depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter decretado a retirada imediata dos cerca de 2 mil soldados no terreno, o que veio agitar os ânimos na região.

Kevin Lamarque/REUTERS

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos anunciou esta sexta-feira a retirada do equipamento militar norte-americano da Síria. O anúncio surge depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter decretado, em dezembro, a retirada imediata dos cerca de 2 mil soldados no terreno, o que veio agitar os ânimos na região.

Num comunicado enviado à agência Associated Press, o coronel Sean Ryan informou que os Estados Unidos deram início ao “processo de retirada deliberada da Síria”. No entanto, o porta-voz da coligação internacional anti-jihadista liderada pelos Estados Unidos recusou prestar mais esclarecimentos sobre a operação, por motivos de segurança.

A retirada dos soldados norte-americanos da Síria suscitou críticas dos aliados e levou à demissão do secretário da Defesa, James Mattis. Os Estados Unidos são acusados de terem abandonado os curdos, que os ajudaram na luta contra o autoproclamado Estado Islâmico, quando estes enfrentam ataques por parte da Turquia.

No domingo passado, o conselheiro para a segurança nacional da Casa Branca, John Bolton, garantiu que as tropas norte-americanas apenas sairão da Síria quando o autoproclamado Estado Islâmico for derrotado e forem dadas garantias de proteção aos curdos.

 

Recomendadas

Confiança dos empresários alemães aumenta pela primeira vez em seis meses

O ifo Business Climate Index subiu em março, de 98,7 para 99,6 pontos. Este é o primeiro aumento após seis quedas sucessivas. As empresas estão um pouco mais satisfeitas com a sua atual situação de negócios, e estão decididamente mais otimistas em relação aos negócios nos próximos seis meses.

Steve Bannon e as eleições europeias: “Quanto mais participação houver, maior será a vitória do movimento populista”

Antigo conselheiro de Trum, ideólogo da nova extrema-direita e mentor de Bolsonaro e dos espanhóis do Vox, Bannon considera possível que 30% do próximo parlamento europeu seja populista.

CDS quer Governo a reforçar vagas em creches e lares para portugueses que regressem da Venezuela

O CDS-PP quer que Governo a apoie e pague regresso de portugueses na Venezuela. Custear despesas com as viagens, acelerar a tramitação dos processos de nacionalidade, eventuais benefícios fiscais e reforço de apoios sociais e em medicamentos são algumas medidas que constam do plano de apoios dos centristas a que juntam agora a disponibilização de vagas em creches ou lares de idosos, com contratualização com a Segurança Social.
Comentários