Estados Unidos iniciam retirada do armamento militar da Síria

O anúncio surge depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter decretado a retirada imediata dos cerca de 2 mil soldados no terreno, o que veio agitar os ânimos na região.

Kevin Lamarque/REUTERS

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos anunciou esta sexta-feira a retirada do equipamento militar norte-americano da Síria. O anúncio surge depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter decretado, em dezembro, a retirada imediata dos cerca de 2 mil soldados no terreno, o que veio agitar os ânimos na região.

Num comunicado enviado à agência Associated Press, o coronel Sean Ryan informou que os Estados Unidos deram início ao “processo de retirada deliberada da Síria”. No entanto, o porta-voz da coligação internacional anti-jihadista liderada pelos Estados Unidos recusou prestar mais esclarecimentos sobre a operação, por motivos de segurança.

A retirada dos soldados norte-americanos da Síria suscitou críticas dos aliados e levou à demissão do secretário da Defesa, James Mattis. Os Estados Unidos são acusados de terem abandonado os curdos, que os ajudaram na luta contra o autoproclamado Estado Islâmico, quando estes enfrentam ataques por parte da Turquia.

No domingo passado, o conselheiro para a segurança nacional da Casa Branca, John Bolton, garantiu que as tropas norte-americanas apenas sairão da Síria quando o autoproclamado Estado Islâmico for derrotado e forem dadas garantias de proteção aos curdos.

 

Recomendadas

Investimento estrangeiro: Macron ‘vende’ França como o país mais atrativo da Europa

Presidente francês convidou para o Palácio do Eliseu dezenas de empresários de topo em trânsito para Davos. O encontro, que faz parte de uma estratégia chamada ‘Escolha a França’, parece ter sido um sucesso.

Britânica Dyson deixa Londres e parte a caminho de Singapura

James Dyson, fundador da empresa de eletrodomésticos e um dos empresários que fez campanha em favor do Brexit, diz que a mudança tem apenas a ver com as inúmeras oportunidades que surgem na Ásia.

Quatro mulheres deixaram água e comida a migrantes. Foram condenadas nos EUA

Ativistas foram condenadas por um juiz norte-americano no final da semana passada. É a primeira sentença criminal por causas humanitárias no espaço de uma década.
Comentários