Estará a Rússia a contratar trabalhadores da Coreia do Norte?

O Governo de Vladimir Putin refutou um relatório divulgado pelo "Wall Street Journal" esta sexta-feira, no qual indicava que 10 mil novos trabalhadores se registaram naquele país, citando registos do Ministério do Interior russo.

A Rússia veio esta sexta-feira negar a entrada de trabalhadores norte-coreanos no país. A notícia surgiu no “Wall Street Journal”, que mostra um relatório com dados do Ministério do Interior russo, no qual surge a indicação para a aceitação de milhares de trabalhadores do país asiático, potenciando deste modo a violação das sanções da ONU.

No total, serão 10 mil o número de norte-coreanos registados na Rússia desde setembro de 2017, de acordo com o jornal norte-americano. O embaixador da Rússia na Coreia do Norte, Alexander Matsegora, negou que Moscovo tenha permitido a entrada de novos trabalhadores na Rússia, dizendo que os novos documentos foram emitidos para trabalhadores que já trabalham na Rússia e que estão trabalhar, através de contratos antigos, segundo revela a agência noticiosa “Interfax”.

Alexander Matsegora afirma também “que os trabalhadores foram autorizados a trabalhar na Rússia até 29 de novembro de 2019, já que seus contratos de trabalho haviam sido assinados antes que as sanções entrassem em vigor”.

Por sua vez, o “Wall Street Journal”, indica registos do Ministério do Interior da Rússia, que mostram, que no mínimo 700 novas autorizações de trabalho foram emitidas para trabalhadores norte-coreanos, desde o início deste ano.

Um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, referiu à “Reuters” que “Moscovo deve provar que está a cooperar connosco e não a trabalhar contra nós”. As autoridades da ONU já estão a investigar as possíveis violações das sanções impostas.