“Este orçamento aposta nas eleições”, critica Rui Rio

Rio escusou-se a revelar se o PSD votará contra este orçamento na votação na Assembleia da República, apontando que essa será uma decisão a ser tomada pelo partido.

O presidente do PSD, Rui Rio, considerou hoje que a proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) apresentada pelo Governo é eleitoralista e enganadora, mas escusou-se a adiantar o sentido de voto dos deputados sociais-democratas.

“Este orçamento, ainda não tive oportunidade de o ver com todo o detalhe (…), mas o principal já se consegue ver: este é um orçamento que não aposta no futuro, aposta no presente, e em 2019 apostar no presente significa apostar nas eleições. E, portanto, todas as folgas que há é para distribuir, e isto tem uma marca ideológica, do PS, e particularmente do Bloco de Esquerda e do PCP”, declarou Rio.

O líder do PSD falava aos jornalistas em Bruxelas à margem de uma reunião do Partido Popular Europeu (PPE).

Rui Rio reagiu hoje pela primeira vez à proposta de OE2019 apresentada na segunda-feira, perto da meia-noite, pelo Governo de António Costa, tendo considerado que há “um bodo aos eleitores”, mas também “há uma mistura de medidas que não são como o Governo está a dizer, que pretende enganar os eleitores”.

Rio escusou-se a revelar se o PSD votará contra este orçamento na votação na Assembleia da República, apontando que essa será uma decisão a ser tomada pelo partido em sede da comissão política nacional, que se reunirá na próxima semana, mas observou que “este orçamento vai na linha dos outros, para pior um bocado”.

Recomendadas

Manifesto defende eucalipto para atingir neutralidade carbónica em 2050

O ‘Manifesto por uma Floresta não Discriminada’ critica a “onda de demagogia que se tem vindo a avolumar nos últimos meses” e “o ataque que se tem registado contra o eucalipto”.

Cimeira ibérica de amanhã centrada nas relações fronteiriças

A cimeira ibérica de Valladolid marca estreia de Pedro Sánchez na qualidade de primeiro-ministro de Espanha.

Hoje há greve dos juízes. Magistrados judiciais reconhecem “custos sociais”

Qual o impacto da greve no funcionamento dos tribunais e na vida dos cidadãos? O presidente da ASJP reconheceu que a greve terá “custos sociais”, insistindo na ideia de que “infelizmente” os juízes não tinham outra alternativa.
Comentários