Estivadores de Lisboa em greve parcial a partir de dia 19

De 19 a 28 de fevereiro, os estivadores só trabalham para a Yilport, Liscont, Sotagus, Multiterminal e TMB no segundo turno e de 29 de fevereiro a 9 de março não haverá qualquer prestação de trabalho para essas quatro empresas.

Rui Minderico/Lusa

O Sindicato dos Estivadores decidiu esta terça-feira manter a greve parcial com início na quarta-feira no Porto de Lisboa, após uma reunião com responsáveis da empresa de trabalho portuário, que manifestaram a intenção de passar 34 trabalhadores efetivos a eventuais.

Os diretores da A-ETPL, Associação de Empresas de Trabalho Portuário de Lisboa, que fornece mão-de-obra aos diferentes operadores portuários de Lisboa, defenderam hoje que 34 trabalhadores – que passaram de precários a trabalhadores com contrato sem termo em 2016 – deveriam voltar a ser eventuais outra vez”, disse à agência Lusa António Mariano, presidente do SEAL, Sindicato dos Estivadores e Atividade Logística.

A A-ETPL não quer negociar nada, quer continuar a apostar numa situação de pré-insolvência”, acrescentou António Mariano.

Para o dirigente do SEAL, o que está em causa no Porto de Lisboa é o “incumprimento dos acordos assinados, o não pagamento atempado dos salários, a apresentação de propostas inaceitáveis aos trabalhadores e os sucessivos desvios de cargas para outras portos nacionais”.

“Não sei se o Governo português vai continuar a assistir, impávido e sereno, a estas manobras de desvio de cargas em território nacional, por razões que, provavelmente, visam apenas a destruição da organização do trabalho tal como existe e aumentar ainda mais os níveis de precariedade nos portos nacionais, como hoje nos foi proposto, com a passagem de 34 trabalhadores efetivos a contratos precários”, disse.

“Isto não pode ser ignorado. Uma coisa é haver legislação nacional que permite a precariedade em larga escala, nomeadamente nos portos. Outra coisa é termos grupos económicos que estão em vários portos, eventualmente a fazer desvios de carga entre uns e outros, como se isto fosse um tabuleiro de xadrez deles”, acrescentou António Mariano, convicto de que o objetivo das empresas de trabalho portuário é terem “níveis de precariedade elevados e baixos salários em todos os portos nacionais”.

O presidente do SEAL admitiu ainda a possibilidade de o grupo turco Yilport, que anunciou a disponibilidade para investir 122 milhões de euros no Porto de Lisboa e que está a em negociações para prorrogação do prazo de concessão do terminal de Lisboa, estar a utilizar o conflito com os trabalhadores para exigir ao Governo taxas mais baratas, alegando que há muitas greves e poucas cargas no porto de Lisboa.

Certo é que, face à recusa da A-ETPL em cumprir o Contrato Coletivo de Trabalho que assinou e que continua em vigor, o SEAL mantém a greve, de quarta-feira a 09 de março, que irá afetar três empresas do grupo turco Yilport – Liscont, Sotagus e Multiterminal – e uma quarta empresa, TMB (Terminal Multiusos do Beato).

De 19 a 28 de fevereiro, os estivadores só trabalham para aquelas quatro empresas no segundo turno e de 29 de fevereiro a 9 de março não haverá qualquer prestação de trabalho para essas empresas.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários