Estrangeiros vendem perto de mil milhões de euros em ações da Arábia Saudita

Esta é uma das maiores vendas desde que o mercado abriu para direcionar as compras externas em meados de 2015, numa semana em que os investidores foram abalados pela deterioração das relações da Arábia Saudita com governos estrangeiros após o desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi.

Os cidadãos estrangeiros venderam perto de mil milhões de euros em ações da Arábia Saudita, de acordo com os dados de câmbio, segundo revela a agência “Reuters”, este domingo, 21 de outubro. Estas vendas surgem após uma semana em que os investidores foram abalados pela deterioração das relações da Arábia Saudita com governos estrangeiros após o desaparecimento do jornalista Jamal Khashoggi.

O país árabe revelou que o jornalista morreu durante uma luta dentro do seu consulado em Istambul, naquele que foi o primeiro reconhecimento da sua morte depois da Arábia Saudita ter negado durante duas semanas o envolvimento no seu desaparecimento.

“Acreditamos que os EUA manterão a Arábia Saudita como seu aliado próximo, dada (entre outras coisas) a importância do país na região do Médio Orient e sendo o produtor de 10% do suprimento mundial de petróleo.”

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse este domingo que a explicação da Arábia Saudita sobre o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi foi “um bom primeiro passo, mas não o suficiente”, acrescentando que é prematuro discutir quaisquer sanções contra o incidente.

Donald Trump,  parece ter como objetivo censurar um assassinato que provocou indignação global, enquanto protegia as relações com o maior exportador de petróleo do mundo.

O mercado de ações da Arábia Saudita caiu cerca de 4% desde que o jornalista desapareceu em 2 de outubro.

Ler mais
Recomendadas

É oficial: o café está em risco de extinção

Alterações climáticas que se têm sentido nos últimos anos estão a afetar a produção de café.

Inquilinos esperam promulgação de alterações à lei das rendas

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) disse hoje à Lusa que espera que as alterações à legislação das rendas sejam promulgadas pelo Presidente da República, defendendo que estas podem ser “globalmente positivas”, mas também comportam aspetos negativos.

Reforma da supervisão financeira anunciada há quase dois anos continua por fazer

A reforma da supervisão financeira faz parte do programa do Governo, de finais de 2015, e logo em 2016 o ministro das Finanças, Mário Centeno, falou da necessidade de lançar uma “reflexão profunda” sobre a supervisão, para que “funcione melhor”, tendo em conta que “a experiência recente do sistema financeiro [português] é dececionante”.
Comentários