Estudante de Aveiro desenvolve impressão 3D em cortiça

Em alternativa aos filamentos sintéticos disponíveis no mercado, este material desenvolvido por Tatiana Antunes para a tese de Mestrado em Engenharia de Materiais “é uma solução totalmente nova”.

Já é possível fazer impressões 3D com material 100% biodegradável à base de cortiça. Desenvolvido na Universidade de Aveiro (UA) a partir de resíduos de cortiça resultantes do fabrico de rolhas, o novo material quer ser “não só uma alternativa ecológica para qualquer impressora 3D como também dar aos objetos impressos o toque, o odor e a cor que só a cortiça pode dar”.

Em alternativa aos filamentos sintéticos disponíveis no mercado, este material desenvolvido por Tatiana Antunes para a tese de Mestrado em Engenharia de Materiais “é uma solução totalmente nova”. A estudante desvenda que se trata de “um filamento compósito que foi desenvolvido recorrendo a uma matriz plástica biodegradável e que incorpora partículas de cortiça que são parte de um resíduo resultante do processo de fabrico de rolhas”.

Este projeto foi desenvolvido na Escola Superior Aveiro-Norte (ESAN) e no Departamento de Engenharia de Materiais e Cerâmica, sob orientação dos professores Martinho Oliveira e Elisabete Costa. O trabalho teve ainda o acompanhamento da investigadora Sara Silva, da ESAN, e da Amorim Cork Composites.

PCGuia
Recomendadas

Negócio da nuvem cresce até 50% nas empresas de software

Empresários e gestores ligados às Tecnologias de Informação afirmam que já não há impedimentos à migração para ‘cloud’, tanto orçamentais, como de segurança.

Portuguesas Talkdesk e ISQ são casos de sucesso em inovação e desenvolvimento

As duas empresas nacionais, com idades bem distintas, têm aplicado ‘fora de casa’ o investimento interno que fazem em I&D.

Revolut reforça equipa com três ex-executivos da banca tradicional

A estratégia para reforçar o quatro executivo da empresa com ‘grandes tubarões’ continua.
Comentários