Estudante de Aveiro desenvolve impressão 3D em cortiça

Em alternativa aos filamentos sintéticos disponíveis no mercado, este material desenvolvido por Tatiana Antunes para a tese de Mestrado em Engenharia de Materiais “é uma solução totalmente nova”.

Já é possível fazer impressões 3D com material 100% biodegradável à base de cortiça. Desenvolvido na Universidade de Aveiro (UA) a partir de resíduos de cortiça resultantes do fabrico de rolhas, o novo material quer ser “não só uma alternativa ecológica para qualquer impressora 3D como também dar aos objetos impressos o toque, o odor e a cor que só a cortiça pode dar”.

Em alternativa aos filamentos sintéticos disponíveis no mercado, este material desenvolvido por Tatiana Antunes para a tese de Mestrado em Engenharia de Materiais “é uma solução totalmente nova”. A estudante desvenda que se trata de “um filamento compósito que foi desenvolvido recorrendo a uma matriz plástica biodegradável e que incorpora partículas de cortiça que são parte de um resíduo resultante do processo de fabrico de rolhas”.

Este projeto foi desenvolvido na Escola Superior Aveiro-Norte (ESAN) e no Departamento de Engenharia de Materiais e Cerâmica, sob orientação dos professores Martinho Oliveira e Elisabete Costa. O trabalho teve ainda o acompanhamento da investigadora Sara Silva, da ESAN, e da Amorim Cork Composites.

PCGuia
Recomendadas

PremiumCalçado português negoceia com Amazon canais para acelerar exportações

Acordo com o gigante Amazon permitiria ao setor do calçado aumentar canais de venda nos mercados de exportação. Agência Aicep está atenta aos contactos entre a APICCAPS e a Amazon.

Gondomar acolhe Festival Nacional de Robótica

O evento promovido pela Sociedade Portuguesa de Robótica (SPR).
Powered by

Mais TIC – Smartphones

A indústria móvel está a crescer e deverá significar 4,8% do PIB mundial até 2023, segundo as previsões da associação internacional GSMA. O ecossistema em torno do fabrico e da distribuição continuará a gerar cada vez mais empregos, mas as empresas do setor terão de saber inovar para marcar a diferença. Telemóveis desdobráveis e com cinco câmaras já não chegam para o consumidor do século XXI.
Comentários