Estudante de Aveiro desenvolve impressão 3D em cortiça

Em alternativa aos filamentos sintéticos disponíveis no mercado, este material desenvolvido por Tatiana Antunes para a tese de Mestrado em Engenharia de Materiais “é uma solução totalmente nova”.

Já é possível fazer impressões 3D com material 100% biodegradável à base de cortiça. Desenvolvido na Universidade de Aveiro (UA) a partir de resíduos de cortiça resultantes do fabrico de rolhas, o novo material quer ser “não só uma alternativa ecológica para qualquer impressora 3D como também dar aos objetos impressos o toque, o odor e a cor que só a cortiça pode dar”.

Em alternativa aos filamentos sintéticos disponíveis no mercado, este material desenvolvido por Tatiana Antunes para a tese de Mestrado em Engenharia de Materiais “é uma solução totalmente nova”. A estudante desvenda que se trata de “um filamento compósito que foi desenvolvido recorrendo a uma matriz plástica biodegradável e que incorpora partículas de cortiça que são parte de um resíduo resultante do processo de fabrico de rolhas”.

Este projeto foi desenvolvido na Escola Superior Aveiro-Norte (ESAN) e no Departamento de Engenharia de Materiais e Cerâmica, sob orientação dos professores Martinho Oliveira e Elisabete Costa. O trabalho teve ainda o acompanhamento da investigadora Sara Silva, da ESAN, e da Amorim Cork Composites.

PCGuia
Recomendadas

Portugueses estão mais tecnológicos. Compras de ‘gadgets’ aumentam 6,9% em 2018

As telecomunicações apresentam o maior crescimento, com lucros de 1,1 mil milhões de euros, enquanto a fotografia fechou 2018 a perder alcançando 46 milhões de euros.

WhatsApp Business chega (finalmente) ao sistema iOS

Um ano depois de ter sido lançada para Android, a versão para empresas da aplicação de mensagens instantâneas está a chegar aos iPhones.

Espionagem? Ao contrário dos EUA, Reino Unido não está preocupado com a chinesa Huawei

A descoberta surge apesar dos esforços dos EUA para persuadir os países a barrar a Huawei de suas redes, com base no fato de que isso poderia ajudar a China a realizar espionagem ou sabotagem cibernética. 
Comentários