Estudo: portugueses reduzem gastos de Natal para 338 euros

Estudo da Deloitte mostra que as famílias portuguesas são as mais otimistas da Europa quando ao estado da economia, mas estão contidas nas despesas. Pensam gastar 338 euros este Natal, uma queda de 21 euros face ao ano anterior.

Cristina Bernardo

Os portugueses estão mais otimistas quanto ao estado da economia, mas estão mais contidos nas compras para a época natalícia. De acordo com o Estudo de Natal 2017 da Deloitte, as famílias portuguesas prevêem gastar um total de 338 euros por lar, menos 21 euros do que no ano passado.

Este valor será repartido entre presentes (53%), alimentação e bebidas (34%) e eventos sociais (13%). A previsão de gastos em Portugal fica significativamente abaixo dos 550 euros no Reino Unido ou dos 526 em Espanha, destaca a consultora, em comunicado.

“O principal destaque nesta edição é a evolução muito favorável das expectativas dos consumidores portugueses em relação à sua situação económica e poder de compra. Pela primeira vez, desde que o estudo é realizado, Portugal é mais otimista de todos os países analisados e aquele onde se observou a maior evolução face ao ano passado”, destaca Pedro Miguel Silva, associate partner de Retail & Consumer Products da Deloitte.

Segundo o estudo que a empresa faz anualmente, entre 2009 e 2014 assistiu-se a uma queda superior a 50% no consumo estimado pelos portugueses para a época natalícia, de 620 euros para 270 euros por agregado familiar. “Esta tendência inverteu-se a partir de 2014, observando-se nos dois anos seguintes uma tendência crescente”, refere o comunicado.

Portugueses são os mais optimistas da Europa

Portugal registou uma evolução “muito favorável” no que diz respeito à apreciação do estado da economia, acrescenta. Nesta edição, é o mais otimista de todos os países incluídos no estudo. Em 2017, 39% dos inquiridos a nível nacional avaliam a situação atual como positiva (15% em 2016), face aos 20% que percebem a situação atual como negativa (49% em 2016).

Relativamente ao estado futuro da economia, Portugal continua a ser o país mais otimista de todos os países analisados, com um saldo positivo de 32%, um valor que é consideravelmente superior ao do ano passado (4%). A maioria dos restantes países europeus tem uma expetativa de evolução igualmente positiva, com apenas a Grécia a apresentar um saldo desfavorável nas respostas dadas.

Ler mais
Recomendadas

Um ministro das Finanças e um orçamento comum, as receitas de Blanchard para a Zona Euro

O antigo economista-chefe do FMI traçou o caminho para uma política monetária e orçamental mais coordenada para a zona euro. Além da criação de um posto de ministro das Finanças, Olivier Blanchard disse que é essencial agilizar as políticas sobre o défice e sugeriu um orçamento comunitário comum.

Governo estuda emissão de obrigações para empresas industriais

O Governo está a estudar lançar emissões de obrigações agrupadas para vários setores, nomeadamente o industrial, depois de anunciar hoje uma operação destinada a empresas de turismo, de acordo com o ministro Adjunto e da Economia.

“A economia está a arrefecer”, alerta banco central da Alemanha 

O Bundesbank, banco central alemão, considerou esta segunda-feira que a economia da Alemanha está a abrandar após um período de grande prosperidade, mas espera uma estabilização no segundo semestre do ano.
Comentários