Estudo revela que 49% dos portugueses não denuncia “más condutas éticas” no trabalho

Cerca de metade dos trabalhadores não denuncia as más condutas éticas por não acreditar que seriam tomadas medidas para alterar a situação, considerar que os abusos não são um assunto da sua responsabilidade ou que a denúncia poderia colocar em perigo o seu trabalho.

De acordo com um estudo realizado pelo  (IBE), apresentado hoje na Católica Porto Business School, 49% dos portugueses não denuncia “más condutas éticas” no trabalho. Por outro lado, 85% considera o respetivo local de trabalho como “um lugar honesto”.

O mesmo estudo indica que 22% dos trabalhadores inquiridos admite ter sido pressionado a comprometer os padrões éticos, apontando os seguintes motivos: devido à pressão do tempo (36%), à escassez de recursos (29%) e para cumprir ordens superiores (26%).

Cerca de metade dos trabalhadores inquiridos não denuncia as más condutas éticas por não acreditar que seriam tomadas medidas para alterar a situação, considerar que os abusos não são um assunto diretamente da sua responsabilidade ou que a denúncia poderia colocar em perigo o seu trabalho.

No que concerne às questões de má conduta observadas, 52% dos trabalhadores indica ter assistido a tratamento inapropriado, 38% relata comportamentos abusivos e 28% refere o registo incorreto de número de horas trabalhadas.

Trata-se de um estudo “único na Europa que fornece dados reais sobre a visão que os colaboradores têm sobre esta matéria”, destaca o IBE. “Questiona os colaboradores sobre a forma como respondem aos dilemas éticos que surgem no quotidiano laboral, analisando a forma como têm conhecimentos de más práticas, se as reportam e, ainda, e caso não o façam, o que os impede de o fazer”.

Envolveu 6.119 trabalhadores de oito países europeus: Portugal, Espanha, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Suíça e Reino Unido. Em Portugal foram inquiridos 775 trabalhadores, entre os dias 5 e 25 de fevereiro de 2018. A Católica Porto Business School colaborou com o IBE na realização do estudo.

Ler mais
Recomendadas

Produção industrial em Itália cai 2,4% em fevereiro

Em termos homólogos, a produção industrial subiu em bens de capital (1,4%) e baixou a de bens de consumo (3%), a de bens intermédios (2,3%) e a de energia (0,6%).

Mais de 10 mil pessoas protegidas pelo seguro Covid-19 da Tranquilidade/Generali

O produto destina-se a empresas que pretendem proteger os trabalhadores, sobretudo as que continuam em atividade nos seus edifícios e o risco de infeção é superior. Lançado há 10 dias, foi desenvolvido em parceria com a AdvanceCare e garante um subsídio diário de 100 euros por cada dia de hospitalização por esta doença.

Executivo ultima propostas para apoiar os media, mas falta consenso no setor

Media vão receber apoios estatais para enfrentar crise gerada pela pandemia da Covid-19. Governo anuncia apoios “em breve”.
Comentários