EUA denunciam repressão de Pequim contra minoria muçulmana

Os Estados Unidos denunciaram esta sexta-feira o tratamento por parte de Pequim em relação à minoria étnica chinesa de origem muçulmana uigure, que sofrem de detenções arbitrárias, tortura ou vigilância permanente, na região de Xinjiang.

“Centenas de milhares, talvez milhões, de uigures estão a ser mantidos contra a sua vontade nos chamados campos de reeducação, onde são submetidos a uma rígida doutrinação política e a outros horríveis abusos”, afirmou o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo.

“As suas crenças religiosas estão a ser aniquiladas”, lamentou, expressando também preocupação pelos cristãos na China, que acusa Pequim de “fechar igrejas, queimar bíblias e forçar os fiéis a assinar documentos para renunciar à fé”.

Mike Pompeo afirmou ainda que não está a considerar sanções a Pequim, como exigiram alguns congressistas republicanos e democratas.

A China tem negado sempre a existência de “centros de reeducação” ou de “detenção arbitrária”, e argumenta tratarem-se de “centros de educação vocacional”. Os internamentos são justificados pelas autoridades chinesas pela necessidade de ajudar “os que foram enganados pelo extremismo religioso (…) através do reassentamento e educação”.

As autoridades chinesas insistem que são necessárias medidas duras para punir separatistas e extremistas religiosos na região, que concentra mais de 13 milhões de muçulmanos.

Em 2009, a capital do Xinjiang, Urumqi, foi palco dos mais violentos conflitos étnicos registados nas últimas décadas na China, entre os uigures e a maioria han, predominante em cargos de poder político e empresarial regional.

Ler mais
Recomendadas

Mundial da Rússia, Incêndios de Monchique e Bruno de Carvalho lideram tendências do Google em Portugal

A Google revelou os resultados anuais em termos de pesquisa na perspetiva dos momentos que marcaram o ano de 2018 no nosso país e no mundo.

Respostas Rápidas: Mais de uma dezena de feridos e um suspeito a monte. O que aconteceu em Estrasburgo?

O novo balanço das autoridades francesas aponta para duas vítimas mortais e mais de uma dezena de feridos. Atacante terá fugido para Alemanha. O Governo francês elevou o nível de alerta no país para “emergência por atentado”.

CFO da Huawei paga 6,6 milhões de euros para sair em liberdade

Meng Wanzhou foi libertada após o pagamento da fiança por ordem do juiz canadiano William Ehrcke. A diretora financeira da Huawei é acusada pelas autoridades dos EUA de fraude por violar as sanções comerciais impostas pelos norte-americanos ao Irão.
Comentários