Eurogrupo apoia Philip Lane para integrar Comissão Executiva do BCE

Philip Lane irá substituir Peter Praet, iniciando um mandato não renovável de oito anos, a partir de 1 de junho de 2019.

O Eurogrupo acordou esta segunda-feira o apoio à candidatura do governador do Banco Central da Irlanda, Philip Lane, a membro da Comissão Executiva do Banco Central Europeu (BCE).

“O Eurogrupo deu hoje o seu apoio à candidatura de Philip Lane para se tornar um novo membro do conselho executivo do Banco Central Europeu”, anunciou esta segunda-feira em comunicado.

Philip Lane irá substituir Peter Praet, cujo mandato termina a 31 de maio, e iniciará um mandato não renovável de oito anos, a partir de 1 de junho de 2019.

“A recomendação ao Conselho Europeu, composta pelos Chefes de Estado e de Governo, deverá ser formalmente adoptada pelo Conselho a 12 de Fevereiro. Nesta base, o Conselho Europeu consultará o Parlamento Europeu e o Conselho do BCE. Espera-se então que adote a sua decisão final na sua reunião de 22 a 23 de março”, explicou o Eurogrupo.

As nomeações para a Comissão Executivo do BCE são feitas pelo Conselho Europeu, que deve deliberar por maioria qualificada, numa escolha “entre personalidades de reconhecida competência e com experiência profissional nos domínios monetário ou bancário”.

Relacionadas

Eurogrupo reúne hoje com Portugal na agenda

Eurogrupo irá ainda debater a nomeação do novo membro da Comissão Executiva do BCE para o lugar de Peter Praet, cujo mandato termina a 31 de maio.

Centeno: Brexit e tensões comerciais estão a desacelerar economia na zona euro

“Todos sabemos que representam uma desaceleração do crescimento [económico] na Europa e que essa desaceleração está muito associada aos riscos políticos acumulados na Europa, em particular os que estão relacionados com o ‘Brexit’ e às tensões comerciais”, declarou o presidente do Eurogrupo.
Recomendadas

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.

EconPol diz que União Bancária não protege bancos europeus das repercussões de uma crise orçamental italiana

Os planos orçamentais do novo governo italiano têm o potencial de desencadear uma nova crise financeira, diz o analista da EconPol Europe, Timo Wollmershäuser.
Comentários