Centeno e o Eurogrupo: Objetivo “é obviamente ganhar”, se possível à primeira volta

A vitória folgada de Centeno é o cenário mais provável, salvo alguma movimentação ou surpresa de última hora. O presidente do Eurogrupo é eleito por maioria simples dos respetivos membros (que atualmente são 19) para um mandato de dois anos e meio.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou à entrada para a reunião do Eurogrupo, em Bruxelas, que o objetivo para a eleição de hoje do novo presidente “é obviamente ganhar”, e se possível à primeira volta.

“O objetivo em qualquer eleição em que nos colocamos é obviamente ganhar. Fizemos o que tínhamos que fazer dentro do grupo dos países com governos sociais-democratas (socialistas), depois conversando de forma muito aberta com os outros grupos políticos”, afirmou aos jornalistas, à chegada à reunião.

Questionado sobre se conta triunfar logo na primeira volta da votação, sorriu, admitiu que “seria um bom resultado”, e comentou que “qualquer candidato que seja eleito à primeira volta num processo destes tem obviamente uma posição se calhar reforçada”.

Relacionadas

Eurogrupo: dia D para Mário Centeno

Ministro das Finanças português tem a porta aberta para uma vitória folgada na votação de hoje do Eurogrupo. Reunião vai abordar alguns dos temas mais quentes que Centeno terá de tratar quando tomar posse: Grécia e reforma da Zona Euro.

Centeno, um crítico das políticas seguidas na Europa durante os anos de crise

Ministro português tem vindo a contestar a forma como se determina a correção das contas públicas na Zona Euro e a falta de estímulos à procura agregada a nível europeu. Durante o programa de ajustamento, foi contra os cortes salariais e a estratégia de desvalorização interna seguida pela troika e pelo Governo PSD-CDS.

Da esquerda à direita, o que pensam os partidos de Centeno no Eurogrupo

O ministro das Finanças é oficialmente candidato à presidência do Eurogrupo, com o apoio do Partido Socialista e do par espanhol. A esquerda lembra a importância de Centeno se manter focado nas funções nacionais, o CDS não muda as críticas ao governo e o PSD manteve o silêncio. Veja aqui as declarações de cada lado.

O aviso de Marcelo: Centeno não se deve esquecer que “começou por ser ministro das Finanças”

O Presidente da República defendeu hoje que Mário Centeno, caso seja eleito presidente do Eurogrupo, não se deve esquecer que “começou por ser ministro das Finanças” e que só chegará a Bruxelas por esse motivo.

Comissão Juncker diz que vai “trabalhar muito bem” com o novo presidente do Eurogrupo

“Trabalhámos muito bem com o presidente atual [Jeroen Dijsselbloem], vamos trabalhar muito bem com o próximo”, declarou hoje o porta-voz da Comissão Europeia, escusando-se a fazer comentários específicos sobre os quatro candidatos ao cargo de presidente do Eurogrupo, entre os quais Mário Centeno, ministro das Finanças de Portugal.
Recomendadas

Altice Portugal em conversas com dois bancos para prestar serviços financeiros

Alexandre Fonseca afirmou que, “neste momento, a Altice Portugal está a falar com duas instituições financeiras nacionais (…) sobre a possibilidade de expandir a sua oferta para a área de serviços financeiros”.

PremiumEmpresas e famílias terão incentivos fiscais no interior

Governo lança benefícios fiscais (ao nível do IRC e do IRS) para promover a revitalização do interior. Investir fora dos grandes centros urbanos terá mais vantagens para as famílias e para as empresas.

PremiumGoverno vai alocar 200 milhões das receitas do IRC à Segurança Social

O Governo pretende alocar cerca de 200 milhões de euros das receitas de IRC arrecadadas em 2019 ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, o equivalente a um ponto percentual da taxa do imposto que recai sobre as empresas . Face à transferência deste ano, os cofres da Segurança Social receberão mais 120 milhões de euros em 2019.
Comentários