Euromilhões: dois segundos prémios saem em Portugal

Primeiro prémio do concurso do Euromilhões de hoje, num valor superior a 82 milhões de euros, saiu a um apostador no Reino Unido.

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

A chave sorteada do Euromilhões desta sexta-feira é composta pelos números 3 – 15 – 24 – 42 – 46  e as estrelas 9 e 12. O primeiro prémio do concurso, num valor superior a 82 milhões de euros, saiu a um apostador no Reino Unido, anunciou o Departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Para Portugal vieram dois segundos prémios, no valor de 220.944,35 euros. Também o terceiro prémio (18.162,51 euros) saiu a dois apostadores em Portugal, enquanto o quarto prémio (de 4.871,78 euros) será entregue a cinco jogadores com aposta registada em Portugal

Quanto às combinações vencedoras do concurso do M1lhão, também sorteadas esta sexta-feira, são QWM 19.677; QTW 30.159; QVP 25.087; QRR 24.807; QXB 38.079. Os cinco prémios, no valor de um milhão de euros cada, saíram nos distritos de Lisboa, Beja, Évora, Coimbra e no portal dos Jogos Santa Casa.

De recordar que os prémios atribuídos de valor superior a 5.000,00 euros estão sujeitos a imposto do selo, à taxa legal de 20%, nos termos da legislação em vigor.

 

Recomendadas

AIP recorda o papel de João Vasconcelos na Web Summit

“Era dotado de uma invulgar e incomum capacidade de trabalho, de mobilização e realização. Fez um excelente trabalho na secretaria de Estado da Indústria e distinguiu-se enquanto dinamizador de empresas na área das novas tecnologias e no apoio à definição da estratégia nacional para o empreendedorismo”, diz a AIP.

COTEC Portugal lamenta morte de João Vasconcelos, “o autor do futuro”

“Na memória da sua curta vida, João Vasconcelos é um autor do futuro, com contribuição inigualável para o progresso da inovação empresarial, o empreendedorismo e as políticas públicas”, diz a COTEC, liderada por Jorge Portugal.

Idai: Ainda há sete portugueses por localizar na cidade da Beira

Secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, admite que estas pessoas não tenham meios de contacto permanente, como telemóveis.
Comentários