Euronext dá mais um passo para comprar bolsa da Noruega

A Euronext garantiu uma participação maioritária de 50,6% dos acionistas da Oslo Børs antes de lançar oficialmente a oferta (que planeia fazer nas próximas semanas).

Reuters

O grupo financeiro pan-europeu Euronext, que está a concorrer para comprar a bolsa norueguesa, a Oslo Børs, anunciou esta sexta-feira que já conta com o apoio da maioria dos acionistas daquela praça. Em comunicado divulgado esta sexta-feira, antes da abertura do mercado, a gestora de índices deu conta de que os acionistas que representam 50,6% do capital da Oslo Børs concordaram em vender os seus títulos, antes da oferta oficial que planeiam lançar nas próximas semanas.

A Euronext refere que o facto de se ter ultrapassando o limite dos 50% do total de ações mostra “o interesse dos acionistas da Oslo Børs VPS pela oferta da Euronext a ser lançada, satisfazendo uma das condições exigidas para a sua conclusão” e dando mais “confiança” a que o resultado seja favorável.

Na nota divulgada esta manhã, pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Euronext explica que “aumentou o seu compromisso de 49,6%, conforme anunciado a 24 de dezembro de 2018, para 50,6% das ações em circulação da Oslo Børs VPS Holding ASA no contexto da oferta pública a ser lançada”. “Este compromisso de 50,6% é composto por pré-compromissos irrevogáveis ​​dos acionistas da Oslo Børs em oferecer 45,5% das ações em circulação, e partilhar compra de ações pela Euronext, representando mais 5,1% do capital (2.193.000 ações)”, pode ler-se no mesmo documento.

Na véspera de Natal veio a público que a gestora da bolsa de Lisboa tinha abordado a Oslo Børs para a compra dos seus ativos por 625 milhões de euros. O montante da oferta representa um prémio de 32% face ao preço de fecho de dia 17 de dezembro e de 34% em relação à média de preço das ações dos últimos três meses. Caso a oferta tenha ‘luz verde’, sobe para sete o número de países cujas bolsas são geridas pela Euronext (Portugal, Irlanda, Bélgica, França, Holanda, Reino Unido e, possivelmente, Noruega).

Recomendadas

Danos reputacionais podem ser resolvidos pelo CIMPAS desde 1 de junho

Resolver litígios nos seguros em três meses é o objetivo do CIMPAS, o centro de arbitragem de seguros. Rute Santos, a diretora geral do organismo afirma que 70% dos conflitos ficam resolvidos. Os danos reputacionais podem ser alvo de reclamação no CIMPAS.

Negócio da nuvem cresce até 50% nas empresas de software

Empresários e gestores ligados às Tecnologias de Informação afirmam que já não há impedimentos à migração para ‘cloud’, tanto orçamentais, como de segurança.

PremiumFlixbus, a “Uber dos autocarros”, já tem 140 mil clientes em Portugal

A empresa só entrou em Portugal em 2017, mas já liga por autocarro mais de 20 cidades nacionais a mais de 50 destinos externos. Pablo Pastega quer a abertura do mercado de ‘Expressos’.
Comentários