Ex-diretor do FBI acusa Trump de ser “moralmente inadequado” para presidente dos EUA

Na sua primeira entrevista desde que foi demitido, James Comey diz não se pode descartar que a Rússia tenha obtido documentos comprometedores e esteja a fazer chantagem com Donald Trump.

Jonathan Ernst/Reuters
Ler mais

O ex-diretor do FBI James Comey defende que Donald Trump é “moralmente inadequado” para ser presidente do Estados Unidos, dada a falta de valores básicos. Na primeira entrevista desde que foi demitido, James Comey diz não se pode descartar que a Rússia tenha obtido documentos comprometedores e esteja a chantagear Trump.

“Não acho que ele [Donald Trump] esteja medicamente inadequado para ser presidente. Acho que ele é moralmente inadequado para ser presidente”, esclareceu James Comey. “O presidente deve incorporar respeito e aderir aos valores que devem nortear este país. O mais importante de tudo é a verdade e este presidente não é capaz disso”.

Comey dá como exemplo da falta de valores de Donald Trump a forma como trata as mulheres: “Uma pessoa que trata as mulheres como se fossem pedaços de carne, que mente constantemente sobre assuntos grandes e pequenos e insiste que o povo americano acredita nisso. Essa pessoa não está apta para ser presidente dos Estados Unidos, por motivos morais”, reitera.

O antigo líder da polícia de investigação norte-americana acusa ainda o republicano de sucessivas manobras de obstrução à Justiça na investigação sobre a interferência da Rússia na eleição de 2016. James Comey relembra o episódio em que o ex-assessor de Segurança Nacional Michael Flynn mentiu ao FBI sobre as conversas que manteve com o então embaixador da Rússia nos Estados Unidos, Sergey Kislyak. Flynn saiu do Governo em fevereiro do ano passado, afirmando que Donald Trump estava a par do sucedido e terá pressionado James Comey a suspender a investigação.

“Certamente é alguma evidência de obstrução da Justiça. E eu sou apenas uma testemunha neste caso, não o investigador ou o promotor –, isso dependeria de outras coisas que refletissem sobre a sua real intenção”, afirmou durante a entrevista.

James Comey foi demitido em maio do ano passado por Donald Trump, alegando que este não teria tratado de forma devida a investigação a Hillary Clinton sobre o uso do email para assuntos de Governo quando esta era secretária de Estado na Administração Obama. O advogado prepara-se agora para lançar o livro “A Higher Loyalty”, com acusações contra Donald Trump.

Relacionadas

Trump arrasa ex-diretor do FBI: “É mentiroso” e “foi uma grande honra despedi-lo”:

Presidente dos EUA reage ao livro de Comey, prestes a ser publicado, no qual o ex-diretor do FBI diz que Trump “não tem ética”, é “desvinculado da verdade” e exige lealdade como se fosse um “chefe da máfia”. Por seu lado, Trump diz que Comey é “fraco” e “desleal”. Mais, “vazou informação classificada” e “deveria ser acusado” por causa disso.

Ex-diretor do FBI compara liderança de Trump a organização mafiosa

O livro, que está repleto de declarações e acusações fortes contra Trump, surge 11 meses depois do afastamento de Comey, da direção do FBI.

Comey: entrevista do antigo diretor do FBI pode “chocar Donald Trump”

Antigo diretor do FBI fala da sua relação com o presidente norte-americano, que o despediu do cargo em maio de 2017.

Casa Branca garante que Trump não considera despedir procurador especial

“A Casa Branca volta a confirmar que o Presidente não está a considerar ou a discutir o despedimento do procurador especial, Robert Mueller”, afirmou, num comunicado, o advogado da administração norte-americana Ty Cobb.

Advogado de Trump pede fim da investigação à ingerência russa nas presidenciais

Um advogado do Presidente dos Estados Unidos da América pediu no sábado ao Departamento de Justiça que encerre a investigação sobre a alegada ingerência russa nas eleições presidenciais do país que deram a vitória a Donald Trump.

Antigo vice-diretor do FBI Andrew McCabe despedido a dois dias da reforma

A decisão foi tomada pelo Procurador-Geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, esta sexta-feira. Donald Trump celebrou no Twitter, dizendo que é “um grande dia para a democracia”.
Recomendadas

China chama embaixador dos EUA após sanções impostas contra o Exército

Em causa estão a sanções impostas pelo Governo norte-americano ao Equipment Development Department (EDD), responsável pelas armas e equipamentos do exército chinês, e ao seu diretor, Li Shangfu, por ter comprado armamento à empresa Rosoboronexport, exportadora russa de armamento, que já havia sido sancionada por Washington.

Marcelo Rebelo de Sousa reúne-se com Guterres no domingo e discursa quarta-feira na ONU

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai encontrar-se com o secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, no domingo, em Nova Iorque, onde irá discursar na 73.ª sessão da Assembleia Geral desta organização, na quarta-feira.

OPEP reduz produção de petróleo face à queda da oferta iraniana devido às sanções dos EUA

Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) baixou a produção de petróleo no mês de agosto, já que as medidas norte-americanas arruinaram a tentativa de elevar a produção para os níveis acordados.
Comentários