Ex-presidente da Nissan acusado de esconder rendimentos ao fisco

O advogado de Carlos Ghosn informou que vai pedir a libertação do seu cliente sob fiança.

Carlos Ghosn

O ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn foi acusado esta sexta-feira de quebra de confiança e de esconder rendimentos da autoridade tributária, de acordo com o Tribunal Distrital de Tóquio.

Carlos Ghosn foi detido a 19 de novembro por alegadamente ter falsificado relatórios financeiros que não reportavam os cerca de 5 bilhões de ienes (cerca de 38 milhões de euros) que deveria receber ao longo de cinco anos, até 2015, acordados com a Nissan.

Ghosn, Greg Kelly, outro executivo daquela empresa e a própria Nissan como entidade legal foram acusados ainda de terem escondido rendimentos entre os anos fiscais de 2015 a 2017.

O advogado do ex-presidente da Nissan informou que vai pedir a libertação do seu cliente sob fiança. O período de detenção de Carlos Ghosn deveria expirar hoje. Kelly e a Nissan não foram acusados de quebra de confiança.

Relacionadas

Ex-presidente da Nissan nega acusações perante juiz

Carlos Ghosn negou esta terça-feira perante um juiz as acusações feitas contra ele, na primeira aparição pública após a detenção em Tóquio, a 19 de novembro.

Executivo da Nissan deixa cargo após prisão de Carlos Ghosn

José Munoz, membro sénior da construtora japonesa tirou uma licença “para que possa ajudar a empresa, concentrando-se em tarefas especiais decorrentes de eventos recentes”, referiu a Nissan em comunicado.
Recomendadas

Mafre fora da corrida à Tranquilidade, Catalana Occidente é a candidata espanhola

Assim estão na corrida, a Ageas, a Allianz, a Generalli e a Catalana Occidente. O vencedor deverá ficar escolhido até ao fim do mês.

Presidente do Opart, que gere o Teatro São Carlos, apresentou a demissão

Em comunicado enviado à agência Lusa, o conselho de administração do Opart, organismo que tutela o Teatro Nacional de São Carlos e a Companhia Nacional de Bailado, explicou que “Carlos Vargas apresentou verbalmente a sua demissão” a Graça Fonseca, no sábado, e que hoje “formalizou por escrito a referida demissão”.

Santander Portugal é o banco com melhor Governo Corporativo, segundo ranking da Merco

No âmbito do ranking de Responsabilidade e Governo Corporativo, foram medidos especificamente os indicadores: conhecimento ético, transparência e bom governo, responsabilidade com os empregados, compromisso com o meio-ambiente e as alterações climáticas, e contribuição para a comunidade.
Comentários