Ex-presidente da Nissan nega acusações perante juiz

Carlos Ghosn negou esta terça-feira perante um juiz as acusações feitas contra ele, na primeira aparição pública após a detenção em Tóquio, a 19 de novembro.

Carlos Ghosn

O ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn negou esta terça-feira perante um juiz as acusações feitas contra ele, na primeira aparição pública após a detenção em Tóquio, a 19 de novembro.

Ghosn, de 64 anos, é acusado de ter escondido das autoridades tributárias valores milionários acordados com a Nissan desde 2011 e de violar a confiança da empresa ao tentar encobrir perdas financeiras pessoais.

Ghosn está à espera de julgamento, mas esta audição foi programada para ser apenas informado das acusações que sobre ele pendem.

“Eu sou inocente (…). Eu fui acusado injustamente”, disse Ghosn.

“Eu só tenho amor e gratidão, do fundo do meu coração, à Nissan. Eu dediquei todos os meus esforços à Nissan e levei a cabo os meus deveres de forma justa, correta e legal”, insistiu.

Na audiência, solicitada pelos advogados de Ghosn, o juiz leu as acusações e informou que a detenção do ex-responsável da Nissan justifica-se para evitar que este fuja do país e destrua provas.

Ler mais
Relacionadas

Executivo da Nissan deixa cargo após prisão de Carlos Ghosn

José Munoz, membro sénior da construtora japonesa tirou uma licença “para que possa ajudar a empresa, concentrando-se em tarefas especiais decorrentes de eventos recentes”, referiu a Nissan em comunicado.

Detenção do antigo presidente da Nissan prolongada por mais 10 dias

O Tribunal Distrital de Tóquio informou que decidiu aceitar o pedido dos procurados do Ministério Público, para a detenção ser prolongada até 11 de janeiro, de maneira a encontrarem mais provas para uma nova acusação.
Recomendadas

Teixeira dos Santos: “Não tenho razões para me arrepender” da escolha de Carlos Santos Ferreira e Armando Vara

O Estado “nunca interferiu em qualquer operação” da Caixa Geral de Depósitos, garantiu ainda o ex-ministro das Finanças, na última comissão parlamentar de inquérito aos atos de gestão e recapitalização do banco público, que se realizou esta quarta-feira.

Apple considera mudar até 30% das operações da China para o Sudeste Asiático

A Índia e o Vietname são as opções cimeiras para a gigante tecnológica. A corretora Wedbush Securities sublinha que levaria pelo menos 2 a 3 anos a transferir 15% da produção de iPhones da China para outras regiões.

TAP concretiza maior operação em Bolsa desde 2012 no valor de 200 milhões de euros

A dona da companhia aérea nacional divulgou esta quarta-feira à tarde os resultados da oferta pública de subscrição das “Obrigações TAP 2019-2023”. O Jornal Económico sabe que a TAP quer captar mais 350 a 400 milhões de euros em futura abertura de capital.
Comentários