EXCLUSIVO: Pedro Castro e Almeida será o novo CEO do Santander Totta

Com o fim do mandato dos membros dos órgãos sociais, António Vieira Monteiro passará a chairman do Santander Totta, apurou o Jornal Económico.

António Vieira Monteiro vai deixar de ser o CEO do Banco Santander Totta e passará a chairman no próximo mandato. Para o lugar de CEO, vai suceder-lhe o atual administrador executivo, Pedro Castro e Almeida, apurou o Jornal Económico.

Vieira Monteiro, questionado esta semana pelo Jornal Económico à margem da apresentação de resultados do Banco, escusou-se a pronunciar sobre o tema, dizendo que “se trata de uma decisão do acionista”.

A mudança de cadeiras dos dois administradores surge no quadro da renovação dos órgãos sociais para o triénio 2019-2021. O atual mandato da administração acaba no próximo dia 31 de dezembro.

A lista dos novos órgãos sociais vai ser avaliada pelo Banco Central Europeu, no âmbito do processo fit & proper (adequação e avaliação), e já deu entrada no Banco de Portugal, apurou o Jornal Económico. No entanto, o regulador bancário não comentou.

O Santander Totta vai assim manter o seu princípio de ter um CEO português.

A eleição dos órgãos sociais do Banco Santander Totta (que passará a ter a marca Santander) ocorrerá em assembleia-geral, que será convocada para o efeito e que deverá realizar-se até ao final deste ano.

Leia a notícia completa na edição semanal do Jornal Económico, que estará nas bancas esta sexta-feira.

 

Ler mais
Recomendadas

Miguel Maya quer mais operadores a pagar fatura do Novo Banco

CEO do Millennium BCP recordou que desde janeiro o BCP já pagou 45 milhões de contribuições para o Fundo de Resolução e por conta do imposto especial sobre a banca e defende uma “solução mais equitativa”.

Sporting critica banca por não promover empréstimo obrigacionista

Francisco Salgado Zenha, vice-presidente e administrador da Sporting SAD, acusa a banca por não estar a apoiar a venda das obrigações da SAD sportinguista.

CEO do Novo Banco: “Aumento dos exportadores é estratégico”

António Ramalho, presidente do Novo Banco, considera que a maior dificuldade é a diversificação de mercados. “Essa diversificação passa por questões financeiras, onde o banco pode apoiar e naturalmente prende-se com garantias e trade finance”, afirmou, em entrevista ao Jornal Económico.
Comentários