Expansão do Metro de Lisboa vai custar 266 milhões

Investimento inclui compra de material circulante e novo sistema de sinalização. Extensão entre o Rato e o Cais do Sodré terá dois quilómetros e duas estações e será financiado em 70 milhões por Bruxelas.

Rafael Marchante/Reuters

O Metropolitano de Lisboa (ML) prevê investir 266 milhões de euros no plano de expansão da rede entre o Rato e o Cais do Sodré, cujas obras deverão arrancar em 2019 e terminar em 2023, segundo fonte oficial da empresa pública de transportes assegurou ao Jornal Económico.

“O investimento previsto com a expansão do Metro com o prolongamento Rato/Cais do Sodré, com duas novas estações – Estrela e Santos – é de 266 milhões de euros”, garante a referida fonte do ML. A administração da empresa explica que neste montante estão incluídos 42 milhões de euros para a aquisição de material circulante (locomotivas e carruagens) e 23,8 milhões de euros para o novo sistema de sinalização.

“Prevê-se que os fundos estruturais e de Coesão financiem um montante próximo dos 70 milhões de euros”, garante a mesma fonte do ML. Desta forma, cerca de 196 milhões de euros para este projeto de expansão do metro da capital terão de ser assegurados pelo Orçamento do Estado.

“A parcela de financiamento que não for assegurada pelos fundos da União Europeia é assegurada pelo Estado. A origem desse financiamento é determinada”, explica a fonte oficial do ML, acrescentando que “as infraestruturas de longa duração são financiadas pelo Estado”.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas
Expansão dos metros de Lisboa e Porto avança em junho de 2019
“O mais tardar, no final do primeiro semestre do próximo ano, as obras já estarão no terreno”, assegurou ministro do Ambiente.
Metro de Lisboa volta a contratar escudado no novo modelo de gestão
Depois de ter reforçado a equipa de maquinistas, a empresa deu início à admissão de trabalhadores para a área de manutenção.
Recomendadas
Governo de Espanha pondera penalizar os proprietários de apartamentos vazios
No âmbito de uma reforma da Lei de Arrendamentos Urbanos, o Governo liderado por Pedro Sánchez pretende também aumentar a duração dos contratos de arrendamento e colocar no mercado mais de 20 mil imóveis de carácter social.
BCE confirma Luís Ribeiro como administrador do Novo Banco
Este é o administrador com a área comercial de retalho que já estava em funções na Comissão Executiva liderada por António Ramalho, e cuja avaliação estava em curso no BCE. O Novo Banco vai ainda ter um novo CFO, o irlandês Mark Bourke, e Jorge Cardoso fica com a área de banca de investimento.
Elisa Ferreira defende procedimentos especiais para insolvências de bancos de média dimensão
Como a resolução de um banco médio, mas com relevância sistémica a nível local, tem um impacto social e económico considerável “precisamos de discutir alternativas para os bancos médios e pequenos que saem do mercado, em vez de avançar em direção a uma nova camisa de forças” global, defendeu a vice-governadora do Banco de Portugal em Basel, Suíça.
Comentários