Expansão do Metro de Lisboa vai custar 266 milhões

Investimento inclui compra de material circulante e novo sistema de sinalização. Extensão entre o Rato e o Cais do Sodré terá dois quilómetros e duas estações e será financiado em 70 milhões por Bruxelas.

Rafael Marchante/Reuters

O Metropolitano de Lisboa (ML) prevê investir 266 milhões de euros no plano de expansão da rede entre o Rato e o Cais do Sodré, cujas obras deverão arrancar em 2019 e terminar em 2023, segundo fonte oficial da empresa pública de transportes assegurou ao Jornal Económico.

“O investimento previsto com a expansão do Metro com o prolongamento Rato/Cais do Sodré, com duas novas estações – Estrela e Santos – é de 266 milhões de euros”, garante a referida fonte do ML. A administração da empresa explica que neste montante estão incluídos 42 milhões de euros para a aquisição de material circulante (locomotivas e carruagens) e 23,8 milhões de euros para o novo sistema de sinalização.

“Prevê-se que os fundos estruturais e de Coesão financiem um montante próximo dos 70 milhões de euros”, garante a mesma fonte do ML. Desta forma, cerca de 196 milhões de euros para este projeto de expansão do metro da capital terão de ser assegurados pelo Orçamento do Estado.

“A parcela de financiamento que não for assegurada pelos fundos da União Europeia é assegurada pelo Estado. A origem desse financiamento é determinada”, explica a fonte oficial do ML, acrescentando que “as infraestruturas de longa duração são financiadas pelo Estado”.

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Expansão dos metros de Lisboa e Porto avança em junho de 2019

“O mais tardar, no final do primeiro semestre do próximo ano, as obras já estarão no terreno”, assegurou ministro do Ambiente.

Metro de Lisboa volta a contratar escudado no novo modelo de gestão

Depois de ter reforçado a equipa de maquinistas, a empresa deu início à admissão de trabalhadores para a área de manutenção.
Recomendadas

Lucros da Semapa sobem quase 7% para mais de 130 milhões de euros

Os lucros atribuíveis aos acionistas atingiu os 132,6 milhões de euros, o que, face a 2017, representa um aumento de 6,8%. Entre os diferentes segmentos de negócio, foi a pasta e papel foi que mais contribuiu para o crescimento do EBITDA da holding, com 455,2 milhões de euros, o que representa um crescimento de 12,7% face a 2017.

Siderurgia Nacional afirma que nada na sua produção justifica poluição em Paio Pires

O diretor de relações institucionais da Siderurgia Nacional (SN-Seixal) afirmou hoje que não ocorreu nada de “anormal” no processo produtivo da empresa que justifique as poeiras negras e brancas na Aldeia de Paio Pires, no Seixal, distrito de Setúbal.

Donos da Herdade das Servas investem nos vinhos verdes

Irmãos Serrano Mira adquirem solar erguido em 1540 pelo poeta e humanista Francisco Sá de Miranda.
Comentários