Expressão racista leva a renúncia de presidente de cadeia de pizzas Papa John

Presidente da cadeia de ‘fast food’ admitiu ter usado o termo ‘nigger’ durante uma conferência onde esteve em maio passado.

Jason Miczek/Reuters
Ler mais

John H. Schnatter, fundador da cadeia de pizzas Papa John, renunciou à presidência do conselho de administração da empresa, após ter surgido a notícia de que, durante uma conferência realizada em maio passado, usou a palavra ‘nigger’.

A palavra tem conotações racistas – menos quando é dita por um negro para se referir a outro negro, a acreditar no ‘mainstream’ que todos os dias chega a todo o lado pelas mais diversas vias – e o presidente da empresa admitiu tê-la usado.

O empresário usou o termo num comentário cuja intenção era avaliar como a perceção do racismo na sociedade americana mudou. As notícias sobre a matéria são omissas em relação a qual é a perceção atual do racismo na sociedade norte-americana e o caso do presidente da cadeia de ‘fast food’ não ajuda à sua compreensão. Schnatter desculpou-se publicamente do uso da palavra.

“As informações que me atribuíram o uso de linguagem inadequada e prejudicial são verdadeiras”, reconheceu o empresário. “Independentemente do contexto, peço desculpas, o racismo não tem lugar na nossa sociedade”, acrescentou o empresário.

A renúncia do fundador deu um impulso às ações de Papa John na New York Stock Exchange, cujo preço cresceu mais de 11% esta quinta-feira, para os 53,63 dólares.

A empresa, uma das principais cadeias de ‘fast food’ nos Estados Unidos, anunciou que irá nomear um novo presidente nas próximas semanas.

Recomendadas

Inquérito/Energia: Pedro Rezende disse que Manso Neto assumiu a negociação dos CMEC pela EDP

Segundo o antigo administrador, à época, “toda a gente”, começando na Comissão Europeia, passando pelos diferentes governos e operadores, “acreditava firmemente que a liberalização do mercado ia descer os preços” da energia.

Lesados do BES: “Há centenas de queixas e o Ministério Público não dá seguimento”

Em declarações à Lusa, António Silva, um dos porta-vozes do grupo, garantiu que os lesados avançaram com queixas na justiça contra gerentes do antigo BES, mas não estão a ver resultados.

Associação de lesados do Banif espera solução até final de dezembro

Entre os lesados estão cerca de 3.500 obrigacionistas, grande parte das regiões autónomas da Madeira e dos Açores, mas também das comunidades portuguesas na África do Sul, Venezuela e Estados Unidos, num total de perdas de 263 milhões de euros.
Comentários