F. Ramada multiplica lucro por quatro, para 56,7 milhões de euros

Em comunicado divulgado através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a F. Ramada refere que estas mais valias estão inscritas na rubrica de “resultados relativos a investimentos”, que aumentou 20 vezes no período em análise, para 42,52 milhões de euros.

Ler mais

O lucro grupo industrial F. Ramada quadruplicou no ano passado, face a 2016, para 56,7 milhões de euros, beneficiando das mais valias registadas com a venda de uma participação no grupo Base, que desenvolve atitividade na área da saúde.

Em comunicado divulgado através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a F. Ramada refere que estas mais valias estão inscritas na rubrica de “resultados relativos a investimentos”, que aumentou 20 vezes no período em análise, para 42,52 milhões de euros.

O grupo Base opera no sector de meios complementares de diagnóstico e terapêutica e registou uma faturação consolidada de aproximadamente 80 milhões de euros, em 2016.

Na operação corrente, as receitas totais da F. Ramada aumentaram 15,2%, para 158,22 milhões de euros, enquanto os custos totais subiram 15%, para 133,38 milhões de euros.

Esta evolução é explicada pelo desempenho do segmento da indústria, em que as vendas totais aumentaram 16%, para 151,7 milhões de euros, compensando uma redução de 0,4% das receitas do segmento de imobiliário, para 6,5 milhões de euros.

Não desagregando os valores por segmento, a empresa refere a “atividade de aços registou um crescimento significativo do volume de negócios face a 2016, tendo sido impulsionado pelo aumento de vendas para a indústria de moldes e para o sector da construção de máquinas e equipamentos”.

Nos, moldes, regista o desempenho e a consolidação da “notoriedade no mercado internacional”, apontando que “o ano de 2017 foi o melhor ano de sempre da indústria de moldes, quer em termos de produção quer em termos de exportações”.

No sector da metalomecânica, também se registou “um crescimento significativo”.

Globalmente, os resultados antes juros, impostos, amortizações e depreciações (EBITDA) da F. Ramada cresceram 16,4%, para 24,82 milhões de euros. A margem EBITDA melhorou 0,2 pontos percentuais, para 15,7%.

De nota, a redução do endividamento em 89,1%, para 7,9 milhões de euros.

Relacionadas

F. Ramada sobe mais de 6% após anúncio da entrada no PSI 20

A empresa de aços, armazenagem e ativos florestais está a cotar nos 13,10 euros, o que corresponde ao valor mais elevado desde o final do mês de fevereiro.

PSI 20: Entra F. Ramada e sai Novabase

A empresa de aços, armazenagem e ativos florestais foi a escolhida pela gestora do mercado de capitais português para integrar o índice mais importante da bolsa portuguesa. O PSI 20 continua na prática a ser o PSI 18.
Recomendadas

PISA: Portugal vai entrar nos estudos da OCDE sobre literacia financeira

“Na economia dos dias de hoje, a literacia financeira é como saber ler ou escrever”, disse Annamaria Lusardi, presidente do International Network on Financial Education’s Research Committee, da OECD.

Farfetch: como as ações dispararam de 20 para 32 dólares em dois dias

“Estes resultados merecem uma reflexão profunda, tendo em conta que a Farfetch é, ainda, uma empresa que não regista lucro”, esclarece a corretora Activotrade em análise ao desempenho da Farfetch.

Literacia financeira: Governo alia-se aos reguladores para reforçar educação

O secretário de Estado para a Educação defendeu que “capacitar para a literária financeira é capacitar para os direitos humanos”, num evento em que foi anunciado o lançamento de um novo Caderno de Educação Financeira.
Comentários