Facebook eliminou este ano mais de 14 milhões de conteúdos pró-terroristas

A chefe de Políticas Globais, Monika Bickert, e a responsável pela Política Antiterrorista, Brian Fishman, indicaram que a grande maioria das mensagens foi eliminada a partir de abril, especialmente durante o segundo trimestre de 2018.

A rede social Facebook anunciou esta sexta-feira que eliminou este ano mais de 14 milhões de conteúdos em todo o mundo que exaltavam grupos terroristas como o Estado Islâmico (EI) ou a Al-Qaeda e as suas organizações afiliadas.

Numa publicação no blogue da empresa, a chefe de Políticas Globais, Monika Bickert, e a responsável pela Política Antiterrorista, Brian Fishman, indicaram que a grande maioria das mensagens foi eliminada a partir de abril, especialmente durante o segundo trimestre de 2018.

Durante os primeiros três meses de 2018, 1,9 milhões de conteúdos pró-terroristas foram eliminados, um número que disparou para 9,4 milhões entre abril e junho e que caiu para três milhões no terceiro trimestre.

“No mundo real, grupos terroristas mostraram grande resistência aos esforços antiterroristas, por isso não deve surpreender ninguém que a mesma dinâmica seja transferida para plataformas sociais como o Facebook”, argumentaram estes responsáveis da empresa sediada em Menlo Park, no estado norte-americano da Califórnia.

O Facebook está a usar sistemas automáticos de aprendizagem para detetar e eliminar o mais rapidamente possível mensagens que mostrem apoio ao EI ou Al-Qaeda, sendo que essas técnicas, sublinha a empresa, já tiveram um impacto substancial: no segundo trimestre o tempo médio necessário para eliminar novos conteúdos era de 14 horas, apenas três meses depois foi reduzido para menos de dois minutos.

Do total de 14 milhões de conteúdos pró-terroristas que a rede social eliminou este ano, aproximadamente metade são mensagens publicadas antes de 2018, mas ainda presentes na rede social.

Ler mais
Relacionadas

Facebook admite ter criado ”ambiente propício” de propagação de violência na Birmânia

A rede social assumiu que deveria ter tomado melhores providências para travar publicações que estiveram promoviam a perseguição contra o grupo religioso rohingya. Eleições de 2020 podem ser o próximo alvo.

Elon Musk e fundador do WhatsApp abandonam Facebook e dão mote ao #deletefacebook

Co-fundador do WhatsApp e CEO da Tesla já aderiram à campanha que estimula usuários a apagarem as suas contas na rede social.
Recomendadas

Recorde no Airbnb. Mais de 4 milhões de pessoas reservaram alojamento numa só noite

10 de agosto foi um dia histórico para a empresa criada em 2008.

Valor gerido por fundos de investimento imobiliário cai 26 milhões de euros em julho

A Interfundos (13,1%), a Norfin (10,4%) e a Square AM (10,3%) detinham as quotas de mercado mais elevadas em julho.

Há outro sindicato em guerra com o Governo, agora por causa da Ryanair

“A partir deste momento, os trabalhadores portugueses ficam a saber que para o Governo português só se podem fazer greves de um ou dois dias”, acusa o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil.
Comentários