Facebook “mais bem preparado” contra manipulação de eleições

O presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, disse esta sexta-feira que a maior rede social do mundo está “mais bem preparada” contra tentativas de manipulação de eleições, quando pairam novas ameaças sobre as legislativas de novembro nos Estados Unidos.

Criticado, nos últimos meses, por não ter levado a sério as campanhas de desinformação e de manipulação atribuídos a próximos do regime russo durante as presidenciais norte-americanas de 2016, Mark Zuckerberg tem procurado assegurar que o Facebook ganhou consciência da dimensão do problema e está a investir para o combater.

Em 2016, a rede social “estava preparada para ataques cibernéticos tradicionais, como o ‘phishing’ ou ‘hacking’, mas não esperava que atores estrangeiros lançassem ataques cibernéticos coordenados”, através de “contas falsas” com o objetivo de “disseminar a divisão e a desinformação”, reconheceu, novamente, o patrão do Facebook.

“Hoje, o Facebook está mais bem preparado para esse tipo de ataque”, disse, lembrando que a maior rede social do mundo já identificou e removeu contas falsas antes das eleições em França, na Alemanha, no México, no Brasil e no estado norte-americano do Alabama.

Além das campanhas de desinformação atribuídas à Rússia, mas desmentidas pelo Kremlin, o Facebook também identificou “uma rede baseada no Irão com redes à imprensa estatal iraniana que tentava espalhar propaganda nos Estados Unidos, Reino Unido e Médio Oriente”, relatou.

“Estamos a enfrentar adversários sofisticados e bem financiados, que não vão desistir e vão continuar a evoluir”, avisou o responsável pelo Facebook.

No total, disse, “foram removidas mais de mil milhões de contas falsas, na sua maioria nos minutos seguintes a serem criadas, antes que pudessem causas quaisquer danos”, entre outubro e março.

Segundo Zuckerberg, graças à aprendizagem das máquinas, uma das facetas da inteligência artificial, o Facebook bloqueia diariamente “milhões de contas falsas”.

Além disso, a rede social vai disponibilizar a todos os seus parceiros de “verificação de factos”, em todo o mundo, uma ferramenta tecnológica para facilitar a identificação de imagens e vídeos falsos ou enganosos.

O Facebook colabora com 27 parceiros nesta tarefa, incluindo a agência noticiosa France-Presse.

Grupos de Internet dos EUA, especialistas, autoridades eleitas e serviços de inteligência concordam que as próximas eleições norte-americanas não vão escapar a novas tentativas de desestabilização política.

Ler mais
Recomendadas

Continental Mabor pede aos Correios para não fechar posto de Lousado

Pedro Carreira, responsável da quarta maior exportadora em Portugal, está preocupado com o efeito de um eventual encerramento do posto de Correios em Lousado.

Google News em risco de sair da Europa com nova diretiva dos direitos de autor

Caso a nova lei seja aprovada pela União Europeia, a gerente de políticas públicas da Google admitiu que iria considerar tirar a Google News do continente. Caso os legisladores não sejam capazes de chegar a um consenso até a primavera, quando o Parlamento Europeu tiver eleições, o processo será adiado até o final deste ano.

DBRS atribui rating B (low) à obrigações AT1 do BCP, abaixo do rating do banco

A DBRS destaca que as obrigações AT1 são profundamente subordinadas e constituem os instrumentos de dívida mais júniores do Banco (isto é, são os últimos a ser pagos).
Comentários