‘Fair play’ financeiro: UEFA pede mais investigação ao Paris Saint-Germain

Investigação do corpo de controlo das finanças de clubes (CFCB) da UEFA tinha sido encerrada no verão, mas a UEFA decidiu reenviar o caso para a Câmara Investigatória desse órgão, para uma investigação mais aprofundada.

O Paris Saint-Germain, que tem estado sob vigilência da UEFA devido às regras do ‘fair play’ financeiro, vai ser alvo de nova investigação por parte de uma câmara do organismo que tutela o futebol europeu, foi hoje anunciado.

A investigação do corpo de controlo das finanças de clubes (CFCB) da UEFA tinha sido encerrada no verão, mas a UEFA decidiu reenviar o caso para a Câmara Investigatória desse órgão, para uma investigação mais aprofundada.

O clube tem estado sob escrutínio do organismo de cúpula do futebol europeu depois das contratações do brasileiro Neymar, por 222 milhões de euros, e do francês Mbappé, por 180 milhões, no defeso de 2017, levantando questões sobre o cumprimento das regras do ‘fair play’ financeiro.

Em abril, a Autoridade para o Controlo Financeiro dos Clubes concluiu que os contratos de patrocínio do clube francês com várias empresas, associadas ao grupo do Qatar que detém o clube, foram “significativamente sobrevalorizados”.

A UEFA nomeou, então, a empresa independente Octagon para estimar os contratos firmados com empresas próximas do estado do Qatar, que financia o Qatar Sports Investment, dono dos parisienses.

As regras estipulam que um clube a participar nas competições europeias não pode apresentar um défice entre a receita e a despesa superior a 30 milhões de euros num espaço de três anos, mesmo sendo apoiado por um dono com vontade de investir no clube.

Em 2014, o clube já tinha sido sancionado por um contrato com o Turismo do Qatar, que a UEFA considerou sobrevalorizado, tendo pagado uma multa e sofrido restrições nas inscrições de jogadores na Liga dos Campeões, entretanto levantadas.

Ler mais
Recomendadas

PremiumPatrick Monteiro de Barros: “Berardo foi financiado pela estratégia de domínio do BCP de Sócrates”

Empresário e ex-acionista do Grupo Espírito Santo diz que “Joe Berardo foi financiado para adquirir ações do BCP e fazer parte de um núcleo que iria dominar o banco na linha imposta pelo primeiro-ministro de então”.

Filha de Dias Loureiro suspeita de branqueamento de quatro milhões de euros

Catarina Dias Loureiro, filha do antigo ministro Manuel Dias Loureiro, é suspeita de ajudar o sogro a branquear quatro milhões de euros.

Banco de Portugal já entregou lista dos grandes devedores no Parlamento

Relatório do banco central abrange informação os bancos que receberam ajuda pública nos últimos 12 anos: Caixa Geral de Depósitos, BES/Novo Banco, Banif, BPN, BCP e BPI. Só depois de análise do documento, Presidente da Assembleia da República decidirá se relatório deve ser divulgado publicamente.
Comentários