‘Fair play’ financeiro: UEFA pede mais investigação ao Paris Saint-Germain

Investigação do corpo de controlo das finanças de clubes (CFCB) da UEFA tinha sido encerrada no verão, mas a UEFA decidiu reenviar o caso para a Câmara Investigatória desse órgão, para uma investigação mais aprofundada.

O Paris Saint-Germain, que tem estado sob vigilência da UEFA devido às regras do ‘fair play’ financeiro, vai ser alvo de nova investigação por parte de uma câmara do organismo que tutela o futebol europeu, foi hoje anunciado.

A investigação do corpo de controlo das finanças de clubes (CFCB) da UEFA tinha sido encerrada no verão, mas a UEFA decidiu reenviar o caso para a Câmara Investigatória desse órgão, para uma investigação mais aprofundada.

O clube tem estado sob escrutínio do organismo de cúpula do futebol europeu depois das contratações do brasileiro Neymar, por 222 milhões de euros, e do francês Mbappé, por 180 milhões, no defeso de 2017, levantando questões sobre o cumprimento das regras do ‘fair play’ financeiro.

Em abril, a Autoridade para o Controlo Financeiro dos Clubes concluiu que os contratos de patrocínio do clube francês com várias empresas, associadas ao grupo do Qatar que detém o clube, foram “significativamente sobrevalorizados”.

A UEFA nomeou, então, a empresa independente Octagon para estimar os contratos firmados com empresas próximas do estado do Qatar, que financia o Qatar Sports Investment, dono dos parisienses.

As regras estipulam que um clube a participar nas competições europeias não pode apresentar um défice entre a receita e a despesa superior a 30 milhões de euros num espaço de três anos, mesmo sendo apoiado por um dono com vontade de investir no clube.

Em 2014, o clube já tinha sido sancionado por um contrato com o Turismo do Qatar, que a UEFA considerou sobrevalorizado, tendo pagado uma multa e sofrido restrições nas inscrições de jogadores na Liga dos Campeões, entretanto levantadas.

Ler mais
Recomendadas

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.
Comentários