Falta madeira, metal, cimento e gás natural. Crise da Venezuela atingiu a indústria funerária

Famílias obrigadas a esperar 10 dias para cremação de entes queridos. Inflação nos preços do gás natural acelerou: “O custo da cremação aumentou em 108% em apenas uma semana”.

A decadência da indústria de petróleo da Venezuela sobrecarregou os cidadãos durante meses com longas filas de espera para terem acesso à gasolina e gás de cozinha. A escassez tem sido tanta que atingiu os crematórios.

Os venezuelanos optaram pelas cremações pois custam cerca de um terço dos enterros, mas a crescente procura tem levado os crematórios a lutar para obter gás natural. Existem relatos de famílias venezuelanas, em entrevistas à agência ”Reuters”, que indicam que são forçadas a esperar até 10 dias.

“O custo da cremação aumentou em 108% em apenas uma semana”, disse Ana Hernandez, 36 anos, em declarações à agência que está a planear uma cremação da sua irmã num cemitério na cidade de Barquisimeto.

Até agora, túmulos comuns foram usados ​​principalmente em Zulia, onde os ‘apagões’ e a escassez de gás tendem a ser mais extremos. Mas os serviços em decadência em outros estados podem propagar esta prática.

A escassez de madeira e metal para caixões e cimento para sepulturas complicou os enterros tradicionais. Algumas famílias esperam que os crematórios obtenham gás propano como alternativa. Mas a espera também aumenta os custos, com inflação anual próxima de 1 milhão por cento, segundo a agência.

A escassez de remédios, alimentos e produtos básicos tem sido constante desde o colapso dos preços do petróleo em 2014 que prejudicou a economia socialista da Venezuela. Cerca de 3 milhões de pessoas emigraram desde 2015, segundo as Nações Unidas.

O presidente Nicolas Maduro culpa uma “guerra económica” liderada por adversários políticos com a ajuda de Washington.

Ler mais
Recomendadas

Respostas Rápidas: Como é que o Reino Unido chegou à crise em que se está a afundar?

Razões históricas mas também de política interna motivam uma situação que está a extremar-se para lá das mais radicais das previsões.

Avianca Brasil avança com pedido de “recuperação judicial” por causa das dívidas

Companhia aérea brasileira, detida por Germán Efromovich (concorrente derrotado na privatização da TAP em 2015), “está sob o risco de paralisar as suas operações e de devolver aeronaves”, noticia a “Exame”.

China poderá reduzir tarifas às importações de automóveis produzidos nos EUA

Avanço nas negociações entre os EUA e a China pode reforçar as tréguas comerciais que começaram no passado dia 1 e têm um prazo de 90 dias. Ações das grandes construtoras mundiais subiram. Vendas de automóveis no mercado chinês desaceleraram no segundo semestre do ano.
Comentários