Famílias chinesas gastaram mais de 130 mil milhões de euros em compras no Ano Novo Lunar

O comércio eletrónico foi, mais uma vez, um dos principais beneficiados da principal festa das famílias chinesas. Só o Jingdong, uma das maiores plataformas de comércio ‘online’ da China, registou um aumento homólogo de ordens de 42,7%.

As famílias chinesas gastaram 1,01 bilião de yuan (130.642 milhões de euros) em compras, durante a semana de férias do Ano Novo Lunar, mais 8,5% do que no anterior, mas a menor subida homóloga desde 2011. Os dados, avançados esta terça-feira pelo ministério chinês do Comércio, incluem gastos em lojas, viagens e restauração, entre 03 e 08 de fevereiro.

O comércio eletrónico foi, mais uma vez, um dos principais beneficiados da principal festa das famílias chinesas. Só o Jingdong (JD), uma das maiores plataformas de comércio ‘online’ da China, registou um aumento homólogo de ordens de 42,7%.

Utensílios de cozinha foi a categoria de produto cujas vendas mais cresceram naquela plataforma, em relação a 2018, com um aumento de 399%, seguida por móveis (185%) e bagagens (148%).china

Segundo o Gabinete Nacional de Estatísticas da China, o consumo contribuiu para 76,2% do crescimento económico da China, no ano passado, com um aumento de 18,6%, face a 2017.

“A julgar pelos principais indicadores económicos, a procura doméstica tornou-se numa força decisiva do crescimento económico da China”, afirmou Wang Bin, vice-diretor geral do Departamento de operações de mercado e promoção do consumo, do ministério do Comércio, citado pelo jornal oficial China Daily.

No entanto, o ritmo de crescimento homólogo do consumo durante o Ano Novo Lunar foi o mais lento dos últimos nove anos, ilustrando a tendência de abrandamento na economia chinesa.

Em 2018, por exemplo, os gastos durante a principal festa das famílias chinesas, equivalente ao natal nos países ocidentais, aumentaram 10,2%, face ao ano anterior, para 926.000 milhões de yuan (120.982 milhões de euros).

A economia da China, a segunda maior do mundo, cresceu 6,6%, em 2018, ou seja, ao ritmo mais lento dos últimos 28 anos.

Ler mais
Recomendadas

Trump promete não construir torre se comprar a Gronelândia

“Prometo não fazer isto na Gronelândia”, afirma Trump no Twitter. A publicação do presidente sobre a compra da ilha dinamarquesa pode querer significar que Donald Trump quer avançar com a oferta irrealista. O Governo de Copenhaga já deixou bem claro que a Gronelândia não está à venda e que a ideia é “absurda”.

EUA dizem que estão “no ponto de viragem de uma relação muito diferente” com Angola

O secretário adjunto dos Estados Unidos para as relações com África, Matthew Harrington, disse na segunda-feira em Washington que Angola e EUA estão “no ponto de viragem de uma relação muito diferente do passado”.

Hong Kong: Twitter bane propaganda de media controlados pelo Estado chinês

A rede social Twitter informou hoje que não aceitará mais “propaganda de órgãos de imprensa controlados pelo Estado”, condenando comportamentos “manipuladores”, depois de anunciar que suspendeu quase mil contas associadas ao regime chinês.
Comentários