Farfetch lança nova edição do programa PLUG-IN com 60 vagas para estágios remunerados

O programa destina-se a todos os recém-graduados, em áreas como engenharia e matemática, produto e design, e estão disponíveis 60 vagas, mais 60% do que na edição anterior.

A empresa portuguesa de moda de luxo Farfetch vai avançar com a terceira edição do programa de estágios remunerados PLUG-IN. O programa destina-se a todos os recém-graduados, em áreas como engenharia e matemática, produto e design, e estão disponíveis 60 vagas, mais 60% do que na edição anterior.

“Estamos a falar de um programa que, desde o início, tem uma estrutura de mentoria e desenvolvimento dos participantes muito distintiva. Representa uma oportunidade única para os candidatos que podem ter a primeira experiência profissional, com um apoio muito próximo de experts nas respetivas áreas e, ao mesmo tempo, participar em projetos complexos e inovadores que estão a mudar a indústria”, afirma Ana Sousa, Talent and People Director da Farfetch em Portugal.

O programa vai ter início em setembro, nos escritórios da Farfetch em Lisboa, Porto e Braga, e terá uma duração de 6 meses. Nesta edição, além de serem procurados recém-licenciados das áreas de Engenharia e de Matemática, são também procurados candidatos para a área de Produto, na vertente de Design. A Farfetch proporciona “um programa de mentoria em tecnologia, em contexto real de desenvolvimento de projetos, com o acompanhamento de especialistas da empresa nas diferentes áreas”.

Tal como nas edições anteriores, os candidatos passam por um processo de seleção que inclui a análise do perfil, a resposta a desafios tecnológicos, o desempenho em dinâmicas de grupo e a entrevista final. Na última edição foram recebidas cerca de 500 candidaturas, tendo sido selecionados 36 estagiários. Destes 36, todos foram convidados para continuar na Farfetch depois do programa.

Recomendadas

Inquérito/Energia: Pedro Rezende disse que Manso Neto assumiu a negociação dos CMEC pela EDP

Segundo o antigo administrador, à época, “toda a gente”, começando na Comissão Europeia, passando pelos diferentes governos e operadores, “acreditava firmemente que a liberalização do mercado ia descer os preços” da energia.

Lesados do BES: “Há centenas de queixas e o Ministério Público não dá seguimento”

Em declarações à Lusa, António Silva, um dos porta-vozes do grupo, garantiu que os lesados avançaram com queixas na justiça contra gerentes do antigo BES, mas não estão a ver resultados.

Associação de lesados do Banif espera solução até final de dezembro

Entre os lesados estão cerca de 3.500 obrigacionistas, grande parte das regiões autónomas da Madeira e dos Açores, mas também das comunidades portuguesas na África do Sul, Venezuela e Estados Unidos, num total de perdas de 263 milhões de euros.
Comentários