Faturação eletrónica e outros (grandes) trunfos da Saphety

2019 marca o início da obrigatoriedade da faturação eletrónica na contratação pública. Há anos que a Saphety trabalha na implementação destes projetos e lidera o mercado.

De acordo com a UE, a fatura eletrónica é “uma fatura que foi emitida, transmitida e recebida num formato eletrónico estruturado que permite o seu processamento automático e eletrónico”.  Definição que consta na Diretiva 2014/55/EU.

Com a publicação desta diretiva, a Saphety começou a implementar projetos de faturação eletrónica. Seguem as necessidades do Estado e respeitam as práticas europeias. As soluções que apresenta, merecem a confiança dos clientes.

“A solução SaphetyDoc apresenta um grau de maturidade ímpar no mercado da faturação eletrónica, fundamentalmente com base em 3 vantagens competitivas: 1) solução totalmente adaptada às regras de negócio das diferentes tipologias de Entidades da Administração Pública 2) solução interligada com praticamente todos os sistemas de gestão (ERP) implementados na Administração Pública 3) o SaphetyDoc é hoje uma rede de mais 20 mil empresas que se encontram aptas a trocarem documentos financeiros com qualquer Entidade Pública que implemente a solução.
” – explica Rui Fontoura, CEO da Saphety.

As imposições da União, fazem antever uma maior concorrência no fornecimento de tecnologias. Rui Fontoura vê o alargamento de mercado como uma oportunidade para a melhoria contínua e manutenção da liderança.

Trabalhar na contratação pública exige um enorme esforço de adaptação às constantes retificações. Além disso, existe um enquadramento legal que as tecnológicas têm de seguir à risca. Versatilidade e poder de costumização são o segredo desta empresa.

Outro grande desafio, prende-se com a diferente maturidade tecnológica dos orgãos do Estado. E ainda há um longo caminho pela frente.

“A realidade de uma Câmara Municipal é completamente distinta de um Hospital ou de um Ministério e dentro da mesma tipologia de entidades existem diferentes estados de maturidade, o que vem dificultar ainda mais a convergência de processos e a integração de sistemas. A nossa perceção é que mesmo que a Administração Pública avance com a uniformização e integração de alguns sistemas, as empresas tecnológicas terão sempre que estar preparadas e capacitadas para segmentarem e adaptarem a sua oferta em função das diferentes realidades existentes na Administração Pública.”

A forma como a Saphety gere diferentes realidades numa era em que a informação é cada vez mais sensível, explica o sucesso.

Os clientes estão cada vez mais focados na capacidade de sincronização da informação, mas também na qualidade dessa mesma informação.

“A solução SaphetySync (solução de Data Synchronization da Saphety) está focada na sincronização de informação de produtos, ao longo da cadeia de abastecimento, com integração na rede mundial de catálogos eletrónicos, a Global Data Synchronization Network (GDSN). Esta é uma rede gerida pela GS1, entidade sem fins lucrativos, que gere muitos dos standards aplicados a diversos sectores de atividade e que está presente na maior parte dos países.”

Presente em 37 países, a Saphety sabe que a nível de desmaterialização de processos de negócio entre empresas, Portugal está avançado em relação ao resto da Europa e é igualmente pioneiro na contratação pública eletrónica. Sem desprimor dos outros, há a confiança de que, pelo menos no que toca à faturação eletrónica, Portugal venha a destacar-se. A Saphety vai fazer por isso.

Ler mais
Recomendadas

Ligações fluviais entre Barreiro e Lisboa não estão asseguradas na manhã e início da tarde deste sábado

Entre as 7h25 e as 14h55, no sentido entre o Barreiro e Lisboa, e entre as 7h55 e às 15h25, no sentido contrário, as ligações não estão asseguradas, estando os horários “sujeitos a confirmação”, diz Soflusa em comunicado.

BdP e CMVM já enviaram as respostas que a ASF precisa para avaliar idoneidade da administração da Mutualista

O Banco de Portugal enviou ontem por escrito a informação que a ASF diz ter pedido para avançar com a avaliação da idoneidade da administração de Tomás Correia. A CMVM também já respondeu ao regulador dos seguros.

Efacec emitiu obrigações no valor de 58 milhões de euros

De acordo com a informação da empresa liderada por Isabel dos Santos, esta operação vai suportar o crescimento sustentado dos negócios do grupo. A Optimal Investments e a Beka Finance atuaram como assessores financeiros da operação.
Comentários