“Fazemos uma reavaliação permanente”: Governo está alinhado com declaração de Marcelo

Ministro da Administração interna diz que o Governo faz “uma reavaliação permanente quer da evolução da pandemia, quer das medidas que são necessárias numa salvaguarda da sua adequação e proporcionalidade”.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O ministro da Administração Interna garantiu que o Governo está alinhado com a declaração de Marcelo Rebelo de Sousa, que este domingo não descartou a necessidade de medidas de restrição mais apertadas. Eduardo Cabrita vincou que o Executivo faz uma “reavalização permanente” da situação.

“Aquilo que fazemos é uma reavaliação permanente quer da evolução da pandemia, quer das medidas que são necessárias numa salvaguarda da sua adequação e proporcionalidade. Julgo que foi esse o sentido da declaração do senhor presidente da República, com a qual estamos totalmente de acordo”, afirmou o governante este domingo em declarações aos jornalistas, transmitidas pela RTP3, à saída de uma mesa de voto no Barreiro.

O ministro acrescentou que “fazemos essa revisão sempre. Temo-lo feito desde março”, vincando que o o Governo tem “feito permanentemente uma adequação que é difícil e exigente em Portugal como em qualquer país do mundo entre aquilo que é a necessidade de garantirmos as medidas sanitárias adequadas, combater a pandemia, defender a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde e aquilo que é a salvaguarda sempre que possível da economia, da vida em sociedade”, dando nota de que amanhã irá reunir mais uma vez a estrutura de monitorização do Estado de Emergência.

Cabrita elogia participação eleitoral dos portugueses no voto antecipado

O ministro da Administração Interna destacou “o grande empenho dos portugueses na participação democrática”, em alusão à afluência às urnas em todo o país para exercer o voto em mobilidade e o voto antecipado.

“Vejo aqui um entusiasmo nestas eleições, naqueles quase 250 mil portugueses que se registaram para o voto antecipado manifesta a alegria do voto semelhante à alegria do voto nas primeiras eleições democráticas”, disse, considerando que tal “significa que em tempos muito difíceis, em tempos em que estamos todos concentrados no combate à pandemia, temos que afirmar também os valores da democracia. Aquilo que registamos na mesa em que acabei de votar a participação é já superior a 75% dos cidadãos inscritos é uma grande vontade de participação”.

O ministro mostrou ainda “reconhecimento” por “todos os portugueses que se inscreveram para participar neste ato eleitoral, todas as autarquias do país que em colaboração com administração eleitoral” e que “estão a montar o sistema que multiplica mais do que quatro vezes o anterior registo máximo de participação no quadro de votação antecipada em mobilidade, e também os milhares de elementos em mesas de voto e todas as pessoas que em todo o país hoje contribuíram para a realização deste ato eleitoral”.

“Há um número muito significativo de pessoas, cerca de metade dos que se inscreveram para o voto em mobilidade estão pessoas que estão a usar a faculdade de votar num concelho diferente daquele em que estão recenseados. Provavelmente, se não fosse esta oportunidade a maioria deles não participaria sequer no ato eleitoral”, frisou, salientando que “as regras sanitárias têm vindo a ser respeitadas para garantir a plena segurança do voto”.

Ler mais

Relacionadas

Se for preciso agravar medidas de confinamento, Marcelo dará apoio ao Governo

Marcelo Rebelo de Sousa admitiu existir um “problema de compreensão, de comunicação da gravidade da situação, mas também há um problema dos portugueses olharem para a realidade e tenderem a facilitar”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.
Recomendadas

Covid-19: PCP quer apoios a 100% para pais “imediatamante e com efeitos retroativos”

Intervindo numa sessão pública, em Lisboa, Jerónimo de Sousa lamentou que “PS, PSD e CDS-PP” tenham rejeitado na Assembleia da República a proposta do PCP que previa “o pagamento do salário a 100% a quem está em assistência a filhos até aos 16 anos, enquanto as escolas se mantiverem encerradas”, devido à pandemia de Covid-19.

PremiumEconomistas alertam para risco de crise financeira

O volume moratórias de crédito quando comparado com o resto da Europa deixa antecipar fortes impactos na banca no pós-Covid.

PremiumUnião Europeia não pode continuar “em velocidade lenta”

O painel do Observatório “A Recuperação Económica depois da Covid-19” sobre ‘O papel da Europa e os desafios para o futuro no contexto global’ foi unânime em considerar que a UE deu, no contexto de combate à pandemia, mais uma prova da sua endémica lentidão.
Comentários