Fed: após subir os juros, quais as preocupações na mente de Powell?

A Reserva Federal dos Estados Unidos divulga esta quarta-feira ao final da tarde as minutas da última reunião de política monetária e uma análise do ING indica as três principais questões para que o banco central está a olhar.

Ler mais

A Reserva Federal (Fed) norte-americana subiu a taxa de juro diretora a 21 de março, numa decisão que não surpreendeu. Os mercados estiveram, por isso, mais atentos às perspetivas da instituição liderada por Jerome Powell e, esta quarta-feira, quando divulgar as minutas da reunião, a situação repete-se. Segundo uma análise do banco ING, há três pontos fundamentais.

Após a reunião de dois dias, a primeira liderada pelo novo chairman, o Comité Federal de Mercado Aberto (FOMC) anunciou um aumento da federal funds rate em 0,25 pontos base para um intervalo entre 1,5% e 1,75%. Esta foi a primeira subida este ano, após a Fed ter sinalizado três aumentos taxas de juro em 2018.

Na altura, Powell mostrou-se otimista em relação à expansão da atividade económica, da força do mercado laboral e da ansiada subida da inflação. Contudo, o tom foi mais sombrio quando respondeu a perguntas sobre as medidas que Donald Trump impôs na politica comercial, nomeadamente à importação de aço e alumínio.

“Os investidores vão escrutinar esta quarta-feira as minutas da Fed para encontrar pensamentos sobre comércio, inflação e o recente alargamento dos spreads Libor”, explicaram os analistas Padhraic Garvey e James Smith, do ING, numa nota sobre a divulgação dos relatos da reunião.

  • Guerra comercial

As tensões entre os Estados Unidos e a China atenuaram nos últimos dias, mas os mercados continuam a procurar indicações sobre se a questão poderá ter impacto no caminho das taxas de juro. A atualização do dot plot em março manteve a indicação de implementar três aumentos da taxa de juro diretora em 2018, mas as minutas poderão revelar o teor da discussão sobre o assunto. Ainda assim, os analistas do ING vêem a questão de forma mais alargada.

“Com uma claridade limitada sobre quão longe irá o alcance das tarifas implementadas, suspeitamos que os decisores políticos irão olhar cuidadosamente para o impacto dos anúncios na confiança”, referem. “Será interesse ver se a Fed cita opiniões de contactos empresariais sobre o impacto que vai ter nas contratações e investimento. A Fed também se vai manter atenta aos efeitos secundários das condições financeiras, apesar de, para já, o impacto ter sido relativamente modesto na arena acionista”.

  • Inflação

Após um ano de inflação desapontante, as minutas de janeiro mostraram que “quase todos” os membros do FOMC consideraram que o indicador irá continuar a falhar a meta de 2% a médio prazo. “Esta visão deverá ser reforçada pelos dados do índice de preços no consumidor, esta quarta-feira, com a inflação core [excluindo preços de energia e bens alimentares] de volta (ou até acima) do objetivo de 2%, resultante de uma distorção causada pela descida nos preços dos dados móveis dos telemóveis, na comparação anual”, explicam.

Em março, o presidente da Fed recordou que a inflação na maior economia do mundo permanece abaixo dos 2%, tendo o indicador core registado apenas 1,5% em fevereiro, após a ideia de o banco central tolerar inflação acima de 2% ter assustado temporariamente os mercados. Os analistas consideram que a situação poderá repetir-se, antecipando que a inflação chegue a 3% antes do verão devido à desvalorização do dólar, pressão do mercado imobiliário e custos médicos, bem como maiores custos para as empresas. Neste sentido, a expetativa é que a Fed mantenha o discurso.

  • Nova Libor

Na semana passada, a Reserva Federal de Nova Iorque apresentou a proposta de uma nova taxa interbancária que poderá substituir a London Interbank Offering Rate (Libor), ou seja, a taxa média interbancária no mercado monetário. “Não só é um input central aos produtos financeiros de mercado, como tem impacto em cerca de dois terços das taxas variáveis dos empréstimos à habitação e a uma série de outras coisas, incluindo empréstimos estudantis”, explicam Garvey e Smith.

A Libor depende das taxas da Fed e tem um efeito diário (através da taxa overnight), mas a maioria dos produtos são atualizados mensal ou trimestralmente. Os analistas do ING indicam que a reforma dos impostos e os esforços da Administração Trump em captar novamente fluxos cambiais teve impacto no mercado de papel comercial que se reflete numa espécie de aumento dos juros no mercado (acrescido à subida pela Fed). O efeito da pressão exercida pela impressão de papel comercial na Libor irá, segundo a análise, esbater ao longo do tempo, mas, até lá, irá atuar como “uma subida dos juros disfarçada”, que poderá ser alvo de comentário pela Fed esta quarta-feira.

Relacionadas

Esperado e confirmado: Reserva Federal aumenta taxas de juro

O banco central norte-americano anunciou o primeiro aumento da taxas este ano, de 0,25 pontos base, uma decisão era dada como garantida pelos analistas e investidores. Em comunicado, a Fed mostrou-se confiante no ritmo de crescimento da atividade económica.

‘Dot plot’ indica que Fed vai manter plano de três aumentos de taxas este ano

A primeira reunião política monetária da Reserva Federal sob a liderança de Jerome Powell resultou num esperado aumento de taxas de juro. Em relação ao resto do ano também não houve surpresas, com a manutenção da previsão de mais dois aumentos.

Guerra comercial passou de risco baixo para proeminente, diz presidente da Fed

Na primeira conferência de imprensa à frente da Reserva Federal, Jerome Powell afirmou que os membros do comité do banco central expressaram que a imposição de tarifas às importações tornou-se numa fonte de preocupação para os líderes empresariais.
Recomendadas

Galp põe PSI 20 em alta em contraciclo com queda das praças europeias

As ações da Galp foram as estrelas da sessão ao subirem 2,16% para 16,780 euros. Isto num dia em que o petróleo está a disparar no mercado de futuros. Europa fechou em queda.

Respostas Rápidas. Preço do brent dispara. Poderá atingir os 100 dólares por barril?

Por trás da subida estão três fatores: a perspetiva de uma queda na produção nos EUA, a decisão da OPEP e outros produtores de manter a oferta ao nível atual e as sanções norte-americanas ao crude iraniano.

Juros soberanos disparam com palavras de Draghi ao Parlamento Europeu

Mario Draghi disse que vê uma recuperação “relativamente vigorosa” da inflação subjacente da zona do euro, sinalizando que o Banco Central Europeu está bem encaminhado para aumentar as taxas de juros no final do próximo ano. No seu discurso no Comité para os Assuntos Económicos e Monetários no Parlamento Europeu, disse ainda que espera que os salários continuem numa trajetória de subida. Juros soberanos disparam na Europa e euro valoriza.
Comentários