Federação Europeia dos Jornalistas alerta Conselho da Europa sobre Portugal devido ao caso dos jornalistas vigiados

Esta foi a primeira vez que Portugal foi “alvo de um alerta da plataforma criada em 2015 para denunciar violações da liberdade de imprensa e proteger o jornalismo”, de acordo com uma nota publicada no site do Sindicato dos Jornalistas

A Federação Europeia de Jornalistas (FEJ) notificou Portugal, junto do Conselho da Europa, sobre o caso de “vigilância ilegal” a jornalistas por agentes judiciais e policiais, de acordo com uma nota publicada no site do Sindicato dos Jornalistas (JS) na sexta-feira. O caso é uma “clara violação do seu sigilo profissional e da proteção das fontes de informação”, lê-se.

Esta foi a primeira vez que Portugal foi “alvo de um alerta da plataforma criada em 2015 para denunciar violações da liberdade de imprensa e proteger o jornalismo”.

A FEJ alertou para um episódio “especialmente grave”, uma vez que Portugal assumiu a presidência portuguesa da União Europeia. Acresce que, há um mês, Teresa Ribeiro, ex-secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros, foi escolhida “para representante da liberdade dos media na Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE)”.

Além disso, “Portugal assinou a recomendação do Conselho da Europa sobre o direito dos jornalistas a não divulgarem as suas fontes de informação, adotada em 2000 – e que está igualmente protegido na Constituição da República Portuguesa (artigo 38.º)”, lê-se.

Ou seja, o Estado português concordou com a proteção das fontes de informação dos jornalistas, sendo uma condição essencial para o trabalho do jornalista e para a liberdade de imprensa. A recomendação referida pede, assim, aos governos dos Estados-membros do Conselho da Europa “que tragam os princípios nela explanados ao conhecimento das autoridades públicas, das autoridades policiais e do sistema judiciário”.

Na mesma nota, onde cita a notificação da FEJ no Conselho da Europa, o Sindicato dos Jornalistas sublinha que já pediu esclarecimentos urgentes à Procuradora-Geral da República (PGR), que instaurou um processo de averiguação.

“O Sindicato dos Jornalistas exige um cabal e rápido apuramento de responsabilidades, alertando para a gravidade deste precedente e os constrangimentos que coloca ao exercício de um jornalismo livre e independente, fundamental em democracia”, lê-se.

Na origem desta caso de vigilânica a jornalistas, está a decisão da procuradora Andrea Marques, envolvida no processo e-Toupeira, mandar a PSP vigiar jornalistas do “Correio da Manhã”, da “Sábado” e da RTP, com o objetivo de identificar fontes de informação. A magistrada, sem autorização de um juiz, procurou saber quem é que passava informações aos jornalistas, no âmbito de uma investigação à violação do segredo de justiça no caso e-Toupeira, que decorria no Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa (DCIAP).

Ler mais
Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.
Comentários