Fenprof desafia professores para concentração em Lisboa durante negociações com Governo

O desafio foi lançado pelo secretário-geral, Mário Nogueira, no encerramento do encontro internacional sobre o desgaste dos professores, iniciativa da Fenprof que decorreu em Lisboa.

O secretário-geral da FENPROF, Mário Nogueira (E), reage durante a greve e concentração de professores junto à Assembleia da República, em protesto pelo descongelamento “justo” das progressões, recuperação dos anos de congelamento e contagem integral do tempo de serviço prestado pelos docentes, convocada pela FENPROF, FNE e Frente Sindical de Docentes, em Lisboa, 15 de novembro de 2017. JOÃO RELVAS/LUSA
Ler mais

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) desafiou hoje os docentes a concentrarem-se em frente do Ministério da Educação na quarta-feira, dia de uma nova reunião negocial sobre a contagem do tempo de serviço para a carreira.

O desafio foi lançado pelo secretário-geral, Mário Nogueira, no encerramento do encontro internacional sobre o desgaste dos professores, iniciativa da Fenprof que decorreu em Lisboa.

A Fenprof quer uma negociação, mas avisa que o tempo de contagem de serviço “é inegociável”.

Os sindicatos dos professores reclamam a contagem de todo o tempo de serviço para efeitos de carreira, enquanto o Governo propõe cerca de um terço do tempo.

“Exigimos negociar, mas não aceitamos que nos imponham as regras. Este tempo é inegociável, aliás seria ilegal se o negociássemos”, afirmou Mário Nogueira, endereçando depois “o convite” aos professores para se concentrarem na quarta-feira à porta do Ministério da Educação, em Lisboa, enquanto decorre a reunião negocial com os sindicatos.

O Ministério da Educação convocou para quarta-feira os sindicatos dos professores para uma nova reunião negocial sobre o tempo de contagem de serviço para efeitos de carreira.

A convocatória surgiu em resposta a uma carta aberta que os sindicatos dirigiram ao ministro Tiago Brandão Rodrigues a manifestarem disponibilidade para retomar as negociações.

Por causa da contagem do tempo de serviço, os professores estão em greve às avaliações desde junho.

Recomendadas

Incêndios: Vinte concelhos de sete distritos em risco máximo

Vinte concelhos dos distritos de Portalegre, Castelo Branco, Santarém, Leiria, Guarda, Bragança e Faro apresentam quinta-feira um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Greve dos professores: saiba aqui o calendário das paralisações

Organizações sindicais de professores entregam no Ministério da Educação, na sexta-feira (dia 21), às 11 horas. À semelhança da última greve também esta terá a duração de quatro dias, cada um dos quais atingindo uma região especifica do país.

Táxis: Profissionais preparam-se para continuar protesto por tempo indeterminado

Os taxistas têm estado concentrados em Lisboa, Porto e Faro, com as viaturas paradas nas ruas, para tentar impedir a entrada em vigor, em 01 de novembro, da lei que regula as plataformas eletrónicas de transporte de passageiros em veículos descaracterizados de transporte que operam em Portugal – Uber, Taxify, Cabify e Chauffeur Privé.
Comentários