Fernando Alexandre: “Por hora, um belga gera o dobro do valor que um português em Portugal”

Numa conferência sobre produtividade, organizada pela SEDES – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Social, o economista explicou que “um português produz por hora de trabalho 65% do que produz um europeu médio”.

Fernando Alexandre
DR

O economista e professor da Universidade do Minho Fernando Alexandre alertou esta segunda-feira para a baixa produtividade da economia portuguesa, exemplificando que em 2018, por exemplo, a produtividade da hora trabalhada em Portugal corresponde a 65% por hora de trabalho da média da União Europeia.

Numa conferência sobre produtividade, organizada pela SEDES – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Social, o antigo Secretário de Estado Adjunto da ministra da Administração Interna do governo de Pedro Passos Coelho explicou que “um português produz por hora de trabalho 65% do que produz um europeu médio”.

“Um belga, na Bélgica, por hora, gera o dobro do valor que um gera um português em Portugal”, acrescentou.

O economista salientou ainda que entre 1960 e 2000, Portugal esteve entre as dez economias da OCDE que mais cresceram, mas na viragem do século a tendência inverteu-se e na terceira década do século XXI entrou para o top das três economias que menos cresceram.

“Esse desempenho vê-se na produtividade. A tal estagnação da economia portuguesa coincide com a estagnação da produtividade”, disse. “Em 2020 vamos para o sétimo ano de crescimento. Com o peso da dívida que temos não é fácil crescer mais do que isso”.

Recomendadas

Bancos têm até hoje para enviar ao regulador planos de prevenção do branqueamento de capitais

Os bancos têm até hoje para enviarem ao Banco de Portugal os planos de financiamento e os relatórios de prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, depois dos prolongamentos dos prazos devido à covid-19. Numa situação normal, estes relatórios já deveriam ter sido enviados pelos bancos, mas o regulador e supervisor bancário anunciou a prorrogação dos prazos em abril, considerando que é de “particular importância” a qualidade da informação financeira e prudencial no atual contexto económico. O Banco de Portugal prolongou ainda, para 12 de junho, o reporte de informação financeira em base individual e o reporte de informação para fins de supervisão aplicável às sociedades financeiras, assim como a informação sobre empresas incluídas no perímetro de consolidação e sobre a evolução da carteira de crédito.

Proprietários tem até hoje para pagar primeira fase ou a totalidade do IMI

Os quase quatro milhões de contribuintes que receberam uma nota de liquidação do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) têm até hoje para efetuar o pagamento da primeira prestação ou da totalidade do imposto.

Portugal “entalado” entre dívida e União Europeia

João Duque refere que ajudas às empresas têm de ser “estritamente para acudir à Covid”, enquanto a CIP defende que “não é com moratórias ou com o aumento do endividamento que se resolve o problema”.
Comentários