Fernando Alexandre: “Por hora, um belga gera o dobro do valor que um português em Portugal”

Numa conferência sobre produtividade, organizada pela SEDES – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Social, o economista explicou que “um português produz por hora de trabalho 65% do que produz um europeu médio”.

Fernando Alexandre

O economista e professor da Universidade do Minho Fernando Alexandre alertou esta segunda-feira para a baixa produtividade da economia portuguesa, exemplificando que em 2018, por exemplo, a produtividade da hora trabalhada em Portugal corresponde a 65% por hora de trabalho da média da União Europeia.

Numa conferência sobre produtividade, organizada pela SEDES – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Social, o antigo Secretário de Estado Adjunto da ministra da Administração Interna do governo de Pedro Passos Coelho explicou que “um português produz por hora de trabalho 65% do que produz um europeu médio”.

“Um belga, na Bélgica, por hora, gera o dobro do valor que um gera um português em Portugal”, acrescentou.

O economista salientou ainda que entre 1960 e 2000, Portugal esteve entre as dez economias da OCDE que mais cresceram, mas na viragem do século a tendência inverteu-se e na terceira década do século XXI entrou para o top das três economias que menos cresceram.

“Esse desempenho vê-se na produtividade. A tal estagnação da economia portuguesa coincide com a estagnação da produtividade”, disse. “Em 2020 vamos para o sétimo ano de crescimento. Com o peso da dívida que temos não é fácil crescer mais do que isso”.

Recomendadas

Acionistas da Prisa aprovam venda da TVI à Cofina

Os acionistas da empresa dona da TVI deram luz verde à venda estação de televisão e outros ativos à companhia que detém o Correio da Manhã e a CMTV, entre outros.

IGCP emite 949 milhões de euros em operação de troca para alongar prazos da dívida até 2029

Na primeira operação de troca de dívida deste ano, a instituição presidida por Cristina Casalinho adiou em oito anos o reembolso de Obrigações do Tesouro que venciam em 2021.

Novo Banco pede falência de empresa de Moniz da Maia por dívida de 375 milhões de euros

No pedido de insolvência da empresa, o banco invoca dívidas no total de 16,5 milhões de euros respetivos a um crédito concedido diretamente à empresa de Bernardo Moniz da Maia em 2009 e 358,3 milhões de euros relativos a um contrato de financiamento celebrados entre o BES e a Sogema Investments Limited, segundo o JN.
Comentários