Fernando Alexandre: “Por hora, um belga gera o dobro do valor que um português em Portugal”

Numa conferência sobre produtividade, organizada pela SEDES – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Social, o economista explicou que “um português produz por hora de trabalho 65% do que produz um europeu médio”.

Fernando Alexandre
DR

O economista e professor da Universidade do Minho Fernando Alexandre alertou esta segunda-feira para a baixa produtividade da economia portuguesa, exemplificando que em 2018, por exemplo, a produtividade da hora trabalhada em Portugal corresponde a 65% por hora de trabalho da média da União Europeia.

Numa conferência sobre produtividade, organizada pela SEDES – Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Social, o antigo Secretário de Estado Adjunto da ministra da Administração Interna do governo de Pedro Passos Coelho explicou que “um português produz por hora de trabalho 65% do que produz um europeu médio”.

“Um belga, na Bélgica, por hora, gera o dobro do valor que um gera um português em Portugal”, acrescentou.

O economista salientou ainda que entre 1960 e 2000, Portugal esteve entre as dez economias da OCDE que mais cresceram, mas na viragem do século a tendência inverteu-se e na terceira década do século XXI entrou para o top das três economias que menos cresceram.

“Esse desempenho vê-se na produtividade. A tal estagnação da economia portuguesa coincide com a estagnação da produtividade”, disse. “Em 2020 vamos para o sétimo ano de crescimento. Com o peso da dívida que temos não é fácil crescer mais do que isso”.

Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

“Queremos estar na linha da frente para relançar a economia nacional”, assegura vice-presidente da IP

Segundo os dados mais recentes fornecidos pela gestora da rede ferroviária nacional ao Jornal Económico, 63% das obras previstas no pano Ferrovia 2020 estão em andamento ou já foram finalizadas, um aumento face aos 52% neste estado que se verificavam em fevereiro deste ano. Estão mais de 800 milhões de euros em obra.

CGTP considera que apoios às empresas e famílias negligenciam “questões essenciais”

“A procura interna e o consumo das famílias, não só no atual período, como na fase que se vai seguir, serão determinantes para relançar a economia, promover emprego e assegurar que os bens e serviços das empresas são vendidos”, sustenta a intersindical.
Comentários