Fernando Medina: “Dizer que há turismo a mais em Lisboa é uma visão simplista”

“Tal como é simplista dizer que não é preciso adaptar a cidade ao crescimento turístico na ordem de dois dígitos,” ressalva o presidente da Câmara Municipal de Lisboa e candidato ao mesmo cargo. Sobre o alojamento local, Medina critica proposta do PS e alerta: “Não se pode fazer política negligenciando o impacto económico das decisões que se tomam.”

Cristina Bernardo

Foi a declaração de Fernando Medina que mais aplausos suscitou da audiência, ontem, em mais um almoço-debate organizado pelo International Club of Portugal. Questionado sobre a profusão de alojamento local no centro histórico da cidade de Lisboa, Medina criticou o projeto de lei apresentado por deputados do PS que visa colocar o processo de autorização de alojamento local na esfera das assembleias de condóminos. “Não concordo com a proposta do PS que basicamente iria acabar com o alojamento local. O alojamento local foi uma importante fonte de rendimento para as pessoas durante a crise, que assim não perderam as suas casas. Não se pode fazer política negligenciando o impacto económico das decisões que se tomam.”

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML) e candidato ao mesmo cargo realçou que o setor turístico “vale 6,3 mil milhões de euros na economia da cidade, o que equivale a quatro vezes o setor do calçado em Portugal e três vezes a Autoeuropa.” Como tal, defendeu que “se uma coisa está a correr bem, temos que deixá-la correr bem, não vamos acabar com ela.” Para Medina, “dizer que há turismo a mais em Lisboa é uma visão simplista, tal como é simplista dizer que não é preciso adaptar a cidade ao crescimento turístico na ordem de dois dígitos,” pelo que defende “um meio termo” que corrija os “desequilíbrios” gerados pelo crescimento turístico exponencial dos últimos anos. E enalteceu também a taxa turística que diz estar a ser direcionada para obras como a reabilitação da estação fluvial do Terreiro do Paço, a construção de um miradouro na ponte 25 de Abril e a conclusão do Palácio Nacional da Ajuda.

Recomendadas
Irlanda cobra impostos à Apple que estão sob disputa jurídica
Embora tenha recorrido da decisão da União Europeia quanto à obrigação de cobrar esses impostos, o Governo da Irlanda já cobrou 13,1 mil milhões euros à Apple, mais 1,2 mil milhões em juros.
O que querem os empresários no OE2019? Revisão do IRS e IRC mas também estabilidade fiscal
Survey da consultora EY identifica estabilidade e simplificação do sistema fiscal como das principais preocupações das empresas. Alterações no regime do IRC e IRS são também identificadas como medidas que esperam ver no Orçamento do Estado.
Esta é a nova garrafa ecológica que ‘promete’ um consumo mais sustentável de água
Foi anunciado hoje o lançamento da nova garrafa ecológica e o seu serviço de reabastecimento self service.
Comentários