Fidelidade regista maior número de participação de sempre após tempestade Leslie

A seguradora criou uma unidade operacional móvel com o objetivo de “quantificar e avaliar os prejuízos sofridos com a maior rapidez e proximidade possível junto da população afetada, agilizando melhor os processos de indemnização”.

A seguradora Fidelidade anunciou ter recebido mais de 5000 participações de ocorrências na sequência da tempestade Leslie, o maior sinistro de sempre em número de participações na história da seguradora.

De acordo com um comunicado divulgado na sexta-feira pela seguradora, “este número suplanta largamente o número de participações originadas pelos incêndios de junho em Pedrógão Grande, que não ultrapassaram as 132, e os dos incêndios de outubro a Norte do Tejo, que totalizaram 1134 participações”.

A Fidelidade explicou que estão ainda a decorrer processos de peritagem, tendo mobilizado “para o terreno afetado pela tempestade, com especial incidência no distrito de Coimbra, uma equipa de 50 peritos e o posto operacional móvel de emergência, tendo já efetuado desde o início da semana cerca de 500 peritagens”.

A seguradora criou uma unidade operacional móvel com o objetivo de “quantificar e avaliar os prejuízos sofridos com a maior rapidez e proximidade possível junto da população afetada, agilizando melhor os processos de indemnização”.

A Fidelidade ambiciona “agilizar todo o processo de levantamento de danos” de forma a proceder ao pagamento de indemnizações “da forma mais rápida possível”.

Os prejuízos causados pela tempestade na região Centro ultrapassam os 80 milhões de euros, de acordo com os dados preliminares avançados pelas câmaras municipais mais afetadas.

A passagem da tempestade Leslie por Portugal, no passado sábado e no domingo, provocou ainda 28 feridos ligeiros e 61 desalojados.

A Proteção Civil mobilizou 8.217 operacionais, que tiverem de responder a 2.495 ocorrências, sobretudo queda de árvores e de estruturas e deslizamento de terras.

Ler mais
Recomendadas

Crédito ao consumo cai em setembro para 556 milhões de euros

O crédito ao consumo fechou setembro com uma queda de 8,2% face a agosto para 556 milhões de euros. A maior queda deu-se no crédito automóvel. Continua no entanto a ser concedido mais crédito ao consumo do que em setembro de 2017, uma vez que o montante em crédito concedido subiu 0,6% face ao mês homólogo.

Governador do Banco Nacional de Angola prevê fusões na banca

“Alguns bancos mostraram-se com dificuldades para fazer esse acompanhamento, mas o que é certo é que, à medida que nos aproximámos da data, temos estado a notar que uma larga maioria dos bancos vai cumprir, senão todos”, disse, em entrevista, José de Lima Massano.

Novo Banco é líder de mercado na linha de crédito Capitalizar 2018

Esta liderança confirma a estratégia do banco de apoiar o sistema empresarial nacional, nomeadamente às PME e negócios.
Comentários