Filha de Dias Loureiro suspeita de branqueamento de quatro milhões de euros

Catarina Dias Loureiro, filha do antigo ministro Manuel Dias Loureiro, é suspeita de ajudar o sogro a branquear quatro milhões de euros.

Catarina Loureiro foi detida esta semana em Madrid, onde vive, noticou esta tarde a TVI. É suspeita de participar num alegado esquema de branqueamento de quatro milhões de euros.

A operação tem como principal suspeito o sogro de Catarina, Raul Morodo, um dos fundadores do partido socialista popular, ex embaixador de Espanha em Portugal e na Venezuela. Catarina Loureiro é casada com Alejo Morodo, também detido. Foram feitas buscas nas casas e escritórios.

A investigação das autoridades espanholas acredita que Catarina, tal como o marido, Alejo Moredo, ajudaram o pai deste a esconder a fortuna obtida através de um esquema de corrupção em transações comerciais internacionais. Segundo a TVI, Raul Morodo terá falsificado documentos e fugiu ao Fisco, entre 2012 e 2015. A grande lesada terá sido a empresa pública de petróleos da Venezuela, país onde o pai de Alejo foi embaixador.

O jornal El País avança que a operação da polícia espanhola ocorreu no dia 20 de maio. Raul Morodo não foi detido devido à avançada idade, ao contrário do filho Alejo, de Catarina Loureiro e de mais um casal próximo de Alejo (o sócio e a mulher).

Os detidos foram mais tardes libertados, tendo o juiz aplicado como medida de coacção a Alejo Morodo e a Carlos Prada a proibição de sair de Espanha e a obrigação de se apresentarem uma vez por semana no tribunal. As mulheres de ambos devem comparecer de 15 em 15 dias.

Catarina Loureiro desmente, no entanto, a noticia avançada pela TVI, apesar de a imprensa espanhola citar as autoridades judiciais do país quanto ao seu envolvimento no caso e detenção.

“Perante as notícias que estão a ser veiculadas por meios de comunicação social em Portugal, venho informar e desmentir categoricamente que tenha sido detida ou chamada a prestar declarações em qualquer investigação policial”, afirmou num curto comunicado enviado às redações.

A TVI refere que a nvestigação decorre em Espanha, Andorra, Portugal e Estados Unidos da América, países onde terão sido branqueados centenas de milhões de euros.

Raul Morodo desempenhou funções de embaixador de Espanha em Portugal entre 1995 e 1999, época em que desenvolveu relações privilegiadas com algumas das mais influentes figuras do nosso país. Mário Soares, Cavaco Silva, António Guterres, Guilherme de Oliveira Martins, Belmiro de Azevedo e Ferro Rodrigues, Francisco Balsemão, Durão Barroso, entre outros.

Jorge Sampaio, o Presidente da República, impôs-lhe, a título excepcional, a Gran Cruz da Ordem de Cristo, que poderá perder, agora que é suspeito da prática destes crimes.

(Noticia atualizada com declarações de Catarina Loureiro)

Ler mais
Recomendadas

Circulação do Jornal Económico dispara 70% até abril

A circulação total do Jornal Económico atingiu o valor mais elevado de sempre no segundo bimestre de 2019, com uma subida de 70% para uma média de 9.556 exemplares por edição, nos suportes em papel e digital, segundo os dados hoje divulgados pela Associação Portuguesa de Controlo de Tiragem e Circulação (APCT). Obrigado pela sua preferência!

Igreja quer transformar antigos seminários em residências universitárias

Segundo o secretário de Estado do Ensino Superior, o objetivo é dar resposta “imediata e robusta, logo no início do próximo ano letivo”, revelando a impossibilidade de ter 12 mil camas novas já em setembro.

Capital Airlines retoma voo direto entre China e Portugal 

A Capital Airlines vai retomar, no final de agosto, o voo entre Pequim e Lisboa, com uma paragem técnica em Xi’an, no noroeste da China, confirmou esta quinta-feira a companhia aérea chinesa à agência Lusa. Segundo fonte da empresa, a Administração da Aviação Civil da China já autorizou o voo, que arranca a 30 de […]
Comentários