Filha de ex-presidente de Moçambique assassinada a tiro

Valentina Guebuza, filha de Armando Guebuza, foi assassinada pelo marido, esta quarta-feira à noite, na cidade de Maputo.

A filha do antigo Presidente da República de Moçambique, Armando Guebuza, e de Maria da Luz Guebuza, faleceu na noite passada, na sequência de vários tiros de que foi alvo na região do tórax. Aos 36 anos, Valentina era uma das empresárias mais importantes do continente africano. Além de estar ligada à área empresarial, Valentina era membro do Comité Central do Partido no poder, a Frelimo.

A polícia moçambicana informou que Zofimo Muiuane, marido da vítima, terá sido o autor do crime, cometido na noite passada. O suspeito encontra-se detido numa das esquadras do país.

Valentina Guebuza, que fazia parte da lista das “20 Mulheres Mais Poderosas de África” da revista ‘Forbes’, perdeu a viva a caminho da unidade hospitalar Instituto do Coração, de acordo com o jornal moçambicano “O País”. Segundo o mesmo jornal, a polícia confirmou a morte de Valentina Guebuza ainda esta madrugada, mas voltou a pronunciar-se sobre o falecimento da empresária e filha do antigo Chefe de Estado na manhã desta quinta-feira.

Em conferência de imprensa, o porta-voz do Comando-Geral da Polícia assegurou que o principal suspeito é o marido da vítima, que utilizou uma pistola comprada ilegalmente na África do Sul, conforme noticiou o site moçambicano “Notícias Online“. Sem entrar em detalhes, as autoridades de Maputo dizem que o motivo do crime terão sido divergências conjugais.

Inácio Dina garantiu que as diligências estão a ser feitas pelos peritos da Polícia de Investigação Criminal.

Ler mais
Recomendadas

António Costa diz que o país tem “uma grande dívida para com o interior”

O secretário-geral do PS, António Costa, assumiu esta quarta-feira que o país tem “uma grande dívida para com o interior” tendo em conta que é nesta zona que se produz um quarto da energia consumida em Portugal.
pardal_henriques_sindicato_nacional_dos_motoristas

Pedro Pardal Henriques deixa de ser porta-voz dos motoristas para entrar na política

“Candidato-me porque acredito que podemos voltar a recuperar os valores de Abril”, refere o advogado, que recusa estar a autopromover-se e garante que continuará a representar juridicamente o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas.

Justiça investigou gastos de 30 mil euros de porta-voz da Antram em 2013-2014

A queixa-crime apresentada ao Ministério Público baseava-se na discrepância de 30 mil euros entre as faturas apresentadas pelo tesoureiro e o dinheiro que efetivamente saiu da conta bancária da associação, durante o mandato de André Matias de Almeida.
Comentários