Filho leva pai milionário a tribunal porque este já não lhe dá dinheiro

Durante dois anos, Michael Dawes e a sua companheira Angela Dawes gastaram cerca de 1,8 milhões de euros.

Após vencer o Euromilhões em 2011 com um prémio de 101 milhões de libras, cerca de 117,5 milhões de euros, o britânico Dave Dawe deu cerca de um milhão e oitocentos mil euros ao seu filho Michael Dawes que por sua vez, o gastou em apenas um mês, conta o The Guardian.

No entanto, Michael considerou este valor insuficiente e decidiu colocar o pai e a madrasta em tribunal. Michael queixa-se de apenas ter recebido dinheiro do pai durante dois anos e que, desde então, nunca mais viu chegar um cêntimo à sua conta.

Contudo, as queixas de Michael não chegaram para convencer o juiz do Tribunal de Londres, Nigel Gerald, que deixou cair o caso,  chamou-o de “filho profano”. O juiz rejeitou a reivindicação, considerando que Dave Dawes não tem a obrigação de sustentar o filho. “Não há qualquer base para que um humano normal e racional possa concluir que pode pedir dinheiro sempre que quer”.

“Michael foi provido com fundos suficientes para ter uma vida confortável, mas por razões pessoais escolheu não aproveitar a oportunidade. Por conseguinte, rejeito o pedido”, justificou o juiz.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Motoristas e patrões não chegam a acordo. Governo diz que tentou resolver conflito pelo diálogo

“Obviamente que não esperávamos este desfecho”, admitiu o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos. O governante disse esta terça-feira que uma das partes quis definir resultados antes da negociação.
pedro-pardal-henriques-SNMMP

Sindicato dos motoristas de matérias perigosas anuncia novas formas de luta amanhã

O SNMMP contraria associação patronal: “Estamos dispostos a partir para um processo de mediação”. “Possível paralisação” está em cima da mesa.

Antram: “O sindicato dos motoristas de matérias perigosas recusa mediação”

O porta-voz da associação patronal, André Matias de Almeida, afirma que os motoristas de matérias perigosas querem “impor à cabeça aumentos”. “Não é assim que os processos se passam”, disse.
Comentários