Filipinas vão deixar de comprar equipamento militar aos Estados Unidos

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, anunciou que o seu Governo não irá comprar mais equipamento militar aos Estados Unidos, depois de Washington ameaçar impor sanções aos países que comprem armas à Rússia.

Ezra Acayan/REUTERS

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, anunciou que o seu Governo não irá comprar mais equipamento militar aos Estados Unidos, depois de Washington ameaçar impor sanções aos países que comprem armas à Rússia.

“Não aceitarei comprar [aos EUA]. Não é bom para os filipinos que lhes digam o que fazer. Não estou com raiva deles, mas eles foram os primeiros a atingir-me. E criticaram-me muito pela minha guerra contra as drogas”, declarou na quinta-feira o líder filipino, perante soldados, na província de Bulacan.

Duterte adiantou que irá substituir o armamento dos Estados Unidos, tradicional aliado político e militar, por equipamentos não só da Rússia, mas também da Coreia do Sul e Israel, países que visitou em 2018.

Um acordo militar EUA-Filipinas, negociado no ano passado, está bloqueado no Congresso norte-americano. Alguns senadores recusaram apoiar o acordo devido à violações de direitos humanos no país, no âmbito da campanha contra as drogas lançada por Duterte em 2016.

De acordo com dados oficiais, a campanha já fez mais de cinco mil mortos, mas organizações não-governamentais estimam um número ainda maior.

“Se compras armas da China ou da Rússia, serás sancionado. (…) Quando não podemos negociar com os EUA, é como se estivéssemos encurralados. É por isso que deixei claro que, nestas circunstâncias, não comprarei mais armas aos EUA”, sublinhou o líder filipino.

Em contraste com as declarações do Presidente, o secretário da Defesa, Delfin Lorenzana, anunciou no mês passado que as Filipinas comprariam 16 helicópteros ‘Black Hawk’ aos EUA por cerca de 208,2 milhões de euros, em vez de equipamento russo mais barato, para evitar sanções.

As Filipinas planeiam gastar cerca de 5,6 mil milhões de dólares (cerca de 4,9 mil milhões de euros) nos próximos cinco anos para melhorar a sua capacidades de defesa, e assim substituir os navios de guerra da Segunda Guerra Mundial e os caças e helicópteros da altura da Guerra do Vietname, herdados dos EUA.

No ano passado, o país adquiriu jatos de caça sul-coreanos, navios logísticos indonésios e veículos blindados e mísseis israelitas.

Ler mais
Relacionadas

Presidente das Filipinas: “Construam uma capela nas vossas casas. Não há necessidade de ir à igreja pagar a esses idiotas”

Rodrigo Duterte reacendeu o confronto com os bispos e padres católicos do país, onde mais de 85% da população professa o catolicismo, aconselhando os filipinos a não irem à igreja para pagar contribuições.
Recomendadas

Senado brasileiro rejeita decreto de Bolsonaro que facilita posse de armas

O projeto que anula o decreto de Bolsonaro segue agora para análise na Câmara dos Deputados. O tema deverá tramitar em regime de urgência, indo direto para o plenário. Não há, porém, prazo para a votação.

Trump anuncia oficialmente a recandidatura à Casa Branca

O Presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou a sua recandidatura à Casa Branca e, num comício em Orlando, Flórida, voltou a acusar os jornalistas de serem “Fake News” e disse que o país tem a melhor economia de sempre.

Planeta Terra: uma máquina de produzir refugiados

Desde sempre que os refugiados são um problema político, mas, num momento em que a questão está a mudar o rumo da Europa, as autoridades demonstram não fazer a mais pálida ideia sobre uma solução para o problema.
Comentários