Fim de semana da Páscoa traz chuva (mas temperaturas altas)

O fim de semana de Páscoa vai ser de aguaceiros no Continente, com uma subida gradual da temperatura até sábado e ligeira descida nos dias seguintes, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

O fim de semana de Páscoa vai ser de aguaceiros no Continente, com uma subida gradual da temperatura até sábado e ligeira descida nos dias seguintes, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

O IPMA avisou que, entre quinta e segunda-feira, “o estado do tempo será influenciado por uma região depressionária, inicialmente sobre Portugal continental e com deslocamento gradual para sueste, posicionando-se sobre o arquipélago das Baleares, dando origem à ocorrência de aguaceiros”.

 

Este sábado e domingo, “a incerteza da previsão aumenta devido à posição da depressão, embora a tendência indique que se estabeleça gradualmente uma corrente de nordeste e a probabilidade de ocorrência de precipitação diminua nestes dias”. O vento será do quadrante norte, por vezes forte de nordeste nas terras altas.

Quanto à temperatura máxima, irá variar entre 23 e 27°C nas regiões Norte e interior Centro e entre 20 e 23°C nas restantes regiões, prevê o IPMA.

No Arquipélago dos Açores, o céu irá apresentar-se com abertas, e o vento sul bonançoso a moderado a rodar para o quadrante leste.

 

Na Madeira, até segunda-feira, o estado do tempo irá ser influenciado por um anticiclone ou cristas anticiclónicas que se vão posicionando a oeste ou a norte do arquipélago. De um modo geral, predominarão os períodos de céu muito nublado, com ocorrência de precipitação, em geral fraca, nas vertentes norte e terras altas da ilha, sendo que neste domingo de Páscoa a probabilidade de ocorrência de precipitação é inferior a 35%.

A temperatura mínima deverá variar entre os 11 e os 16ºC e a máxima entre os 17 e os 23ºC, com exceção das terras altas, onde a temperatura será mais baixa, com a mínima entre os 3 e os 7ºC e a máxima entre os 10 e os 15ºC.

Ler mais
Recomendadas

Emissões do gás CFC-11 aumentaram e estão a afetar camada de ozono. Cientistas culpam China

Uma equipa internacional de cientistas anunciou que as misteriosas emissões de CFC-11 – um gás que danifica a camada de ozono – aumentaram cerca de 7 mil toneladas por ano desde 2012. Cientistas remetem a origem destas emissões para duas províncias na China.

Ministro do Ambiente considera que luta dos estudantes é “a mais justa”

João Pedro Matos Fernandes assegurou que ouve as mensagens dos manifestantes, mesmo quando estes querem ir mais depressa do que o Governo está disposto a ir. Há novo protesto pelo clima na próxima sexta-feira.

Portugal está “a viver de água que não tem”

A Associação Natureza Portugal, que representa a WWF, no país, alerta para má gestão e desperdício no consumo de água em Portugal, e faz recomendações a políticos, empresas e cidadãos, para inverter a situação
Comentários