Finanças nega que tenha demorado seis meses até desbloquear obras na Ponte 25 de Abril

O Governo reforça em comunicado que a “Lei do Orçamento do Estado para 2018 previa já os montantes necessários à intervenção na Ponte 25 de Abril, no quadro do calendário de manutenção regular e plurianual previamente estabelecido”.

Cristina Bernardo
Ler mais

Em comunicado o Ministério das Finanças “esclarece que a autorização das obras de manutenção da Ponte 25 de Abril não tardou os seis meses que têm sido referidos pela comunicação social”.

O comunicado responde às notícias que o Governo demorou seis meses para libertar verbas necessárias à intervenção na Ponte sobre o Tejo.

Hoje o  presidente da Infraestruturas de Portugal (IP), António Laranjo, em conferência de imprensa na sede da empresa, em Almada disse que o Ministério das Finanças demorou cerca de seis meses a autorizar a obra de reparação da Ponte 25 de Abril, “mas já o fez”, segundo a IP, que garante avançar com o concurso este mês, segundo a Lusa.

“Não estamos [à espera]. Temos autorização para lançar os concursos já que, de outra forma, não poderíamos lançá-los”, disse o presidente da IP. O responsável notou que toda a programação da obra “é feita com o Ministério das Finanças e com a secretaria de Estado [das Finanças]”, sendo esta a única forma de “avançar com os concursos”, avançou a Lusa.

Os jornais dizem que há vários meses que o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas aguardava a libertação de 20 milhões de euros pelo Ministério das Finanças. As verbas destinavam-se às obras na Ponte 25 de Abril e foram finalmente libertadas.

O anúncio da realização das obras surgiu na véspera da publicação de um artigo da Visão que denunciava que a ponte precisava de obras urgentes na estrutura e acessos Norte da ponte.

O Governo reforça em comunicado que a “Lei do Orçamento do Estado para 2018 previa já os montantes necessários à intervenção na Ponte 25 de Abril, no quadro do calendário de manutenção regular e plurianual previamente estabelecido”.

No comunicado o Ministério diz que “recentemente, dois relatórios, um de Janeiro de 2018 (realizado pelo Instituto de Soldadura e Qualidade) e outro de Fevereiro de 2018 (realizado pelo LNEC), indicaram a necessidade de realização de obras a curto prazo, confirmando a programação previamente definida pela Infraestruturas de Portugal”. E que “face à urgência identificada nesses relatórios, o Ministério das Finanças aprovou prontamente as respetivas portarias de extensão de encargos”.

Mas o LNEC já veio garantir que a Ponte 25 de Abril “está e estará segura”. O presidente do conselho diretivo do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), Carlos Pina, garantiu hoje que a Ponte 25 de Abril “está e estará segura”, explicando que não existe perigo para os utentes, avança a Lusa

Carlos Pina, que falava aos jornalistas no LNEC, em Lisboa, disse que o relatório foi pedido ao laboratório para identificar as anomalias da infraestrutura.

O mesmo responsável referiu que está previsto que as obras decorram durante dois anos e que durante esse período não existe perigo para os utentes da Ponte 25 de Abril, explicando que está afastada a ideia de interdição da circulação de veículos pesados na ponte, o que só poderia acontecer caso a situação se agravasse, escreve a Lusa.

O Observador noticiou que a necessidade de uma intervenção profunda a nível de manutenção foi identificada em 2016, na sequência do trabalho contínuo de monitorização feito pela Infraestrutruturas de Portugal em permanente colaboração com o Laboratório Nacional de Engenharia Ciivil (LNEC) e o Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ). E que o projeto estava previsto no plano de atividades da empresa pública e foi entregue ao Governo em 2017 com a indicação de que a intervenção era prioritária.

Recomendadas

Carlos Tavares diz que Concorrência e Bruxelas analisaram as propostas do Governo sem olhar para mercado ibérico de eletricidade

“Qualquer análise de concorrência tinha de ser feito no âmbito do mercado ibérico, o que foi totalmente esquecido no parecer da Autoridade da Concorrência que se baseava apenas no funcionamento do mercado fechado”, disse o ex-ministro que diz que “se há coisa que se arrepende é de ter sido Ministro da Economia”.

Serviço público dá prejuízo às farmácias, conclui estudo da ANF

Associação Nacional de Farmácias salienta as conclusões do estudo “Sustentabilidade da Dispensa de Medicamentos em Portugal”, realizado pela Universidade de Aveiro em colaboração com a sociedade de revisores oficiais de contas Oliveira, Reis & Associados.

Vai ser afetado pela greve da Ryanair esta sexta-feira? Conheça os seus direitos

Paralisação vai afetar cerca de 190 voos em toda a Europa e aproximadamente 30 mil passageiros e pode custar à Ryanair cerca de 8,4 milhões de euros em compensações. Se tem bilhete para voar com a companhia ‘low cost’, saiba como se defender.
Comentários