‘Fintech’ Ebury registada pelo BdP como instituição de moeda eletrónica

A licença permite à ‘fintech’ britânica, cuja sucursal opera em Portugal desde 2015, lançar novos produtos e serviços financeiros no país.

O Banco de Portugal aprovou o registo da fintech especializada em pagamentos internacionais e câmbio de divisas, Ebury, como instituição de moeda eletrónica. A licença permite à Ebury, empresa britânica cuja sucursal opera em Portugal desde 2015, lançar novos produtos e serviços financeiros no país.

As atividades são reguladas pela Financial Conduct Authority, o supervisor das instituições financeiros do Reino Unido. “Este registo no BdP para que a Ebury opere enquanto EMI [na sigla em inglês] mantém os mais altos padrões de supervisão, garantindo ainda que a empresa sempre assim operou, desde o início das suas operações”, explicou a fintech em comunicado.

A Ebury poderá agora manter todos os fundos dos clientes no balanço e em diferentes divisas. Além disso, os clientes poderão abrir contas com um IBAN próprio dentro da entidade financeira e a operação de pagamentos será simplificada, abrindo a possibilidade de que os próprios clientes realizem transações entre contas da Ebury de forma fácil.

Criada em 2009, a Ebury conta atualmente com cerca de 25 mil clientes corporativos em 13 países diferentes, tem 650 colaboradores e opera transações em mais de 140 divisas. No Reino Unido, foi o primeiro provisor não bancário de serviços de pagamento a adotar a infraestrutura tecnológica que permite realizar transações em tempo real, Faster Payments Scheme.

Relacionadas

Ebury: “Nos últimos anos, a moeda mexe por política e não macroeconomia”

Especialistas em câmbio, o diretor geral e o responsável pelo escritório da ‘fintech’ Ebury em Portugal falam da “irracionalidade” atual no mercado global. Em entrevista ao Jornal Económico, explicam que moedas a que as empresas portuguesas estão muito expostas – como a brasileira, angolana ou moçambicana – continuarão voláteis.

Dólar tem maior valorização desde o primeiro mês de Trump na Casa Branca

Abril foi positivo para os mercados norte-americanos, com Wall Street a fechar o mês no verde pela primeira vez desde janeiro. O dólar teve um desempenho que não se via desde fevereiro do ano passado, com um ganho de 2% contra o euro.

Síria: Rublo russo e petróleo aliviam da pressão geopolítica

Enquanto as ações não têm sofrido grandes choques devido à tensão geopolítica, não se pode dizer o mesmo dos mercados petrolífero e cambial. Os bombardeamentos deste sábado acabaram por ser menos maus que o esperado para os mercados e o petróleo e rublo russo aliviam.
Recomendadas

Proposta sindical de aumentos salariais para a banca em 2019 nos 2,72%

No dia 16 de abril, o SNQTB, o SBN e o SIB enviaram a sua proposta negocial aos bancos que integram a mesa negocial da Associação Portuguesa de Bancos (APB).

CPI à Caixa: Lista de 12 a 15 novas audições é fechada hoje. Santos Ferreira e Faria de Oliveira já agendados

Nova fase de audições dá prioridade a antigos presidente da Caixa. Santos Ferreira, Faria de Oliveira e António de Sousa são as próximas personalidades a ser ouvidas, numa lista de novas audições que ficará hoje fechada e que contará com 12 a 15 personalidades entre político, clientes e antigos administradores. Ao nível de documentos, Parlamento insiste junto do Banco de Portugal  com relatório secreto sobre atuação do governador no caso BES.

Lesados do BES e Banif têm 30 dias para reclamar e poder vir a integrar solução

O trabalho dessas comissões nos próximos meses (150 dias corridos no caso do Banif e 120 dias no caso do BES) é avaliar se esses clientes (que têm de ser investidores não qualificados ou não profissionais) foram vítimas de práticas ilícitas na comercialização de instrumentos de dívida (obrigações, papel comercial, ações preferenciais).
Comentários