‘Fintech’ Ebury registada pelo BdP como instituição de moeda eletrónica

A licença permite à ‘fintech’ britânica, cuja sucursal opera em Portugal desde 2015, lançar novos produtos e serviços financeiros no país.

O Banco de Portugal aprovou o registo da fintech especializada em pagamentos internacionais e câmbio de divisas, Ebury, como instituição de moeda eletrónica. A licença permite à Ebury, empresa britânica cuja sucursal opera em Portugal desde 2015, lançar novos produtos e serviços financeiros no país.

As atividades são reguladas pela Financial Conduct Authority, o supervisor das instituições financeiros do Reino Unido. “Este registo no BdP para que a Ebury opere enquanto EMI [na sigla em inglês] mantém os mais altos padrões de supervisão, garantindo ainda que a empresa sempre assim operou, desde o início das suas operações”, explicou a fintech em comunicado.

A Ebury poderá agora manter todos os fundos dos clientes no balanço e em diferentes divisas. Além disso, os clientes poderão abrir contas com um IBAN próprio dentro da entidade financeira e a operação de pagamentos será simplificada, abrindo a possibilidade de que os próprios clientes realizem transações entre contas da Ebury de forma fácil.

Criada em 2009, a Ebury conta atualmente com cerca de 25 mil clientes corporativos em 13 países diferentes, tem 650 colaboradores e opera transações em mais de 140 divisas. No Reino Unido, foi o primeiro provisor não bancário de serviços de pagamento a adotar a infraestrutura tecnológica que permite realizar transações em tempo real, Faster Payments Scheme.

Relacionadas

Ebury: “Nos últimos anos, a moeda mexe por política e não macroeconomia”

Especialistas em câmbio, o diretor geral e o responsável pelo escritório da ‘fintech’ Ebury em Portugal falam da “irracionalidade” atual no mercado global. Em entrevista ao Jornal Económico, explicam que moedas a que as empresas portuguesas estão muito expostas – como a brasileira, angolana ou moçambicana – continuarão voláteis.

Dólar tem maior valorização desde o primeiro mês de Trump na Casa Branca

Abril foi positivo para os mercados norte-americanos, com Wall Street a fechar o mês no verde pela primeira vez desde janeiro. O dólar teve um desempenho que não se via desde fevereiro do ano passado, com um ganho de 2% contra o euro.

Síria: Rublo russo e petróleo aliviam da pressão geopolítica

Enquanto as ações não têm sofrido grandes choques devido à tensão geopolítica, não se pode dizer o mesmo dos mercados petrolífero e cambial. Os bombardeamentos deste sábado acabaram por ser menos maus que o esperado para os mercados e o petróleo e rublo russo aliviam.
Recomendadas

BdP e CMVM já enviaram as respostas que a ASF precisa para avaliar idoneidade da administração da Mutualista

O Banco de Portugal enviou ontem por escrito a informação que a ASF diz ter pedido para avançar com a avaliação da idoneidade da administração de Tomás Correia. A CMVM também já respondeu ao regulador dos seguros.

Tranquilidade: “Apollo teve um papel fundamental na nossa recuperação”

“A Apollo teve um papel fundamental na nossa recuperação, aportando capital e know-how num momento crítico, reestruturando o balanço e desencadeando a integração e transformação fundamentais à nossa sustentabilidade”, escreve a Tranquilidade aos seus parceiros comerciais.

Parlamento aprova auditoria independente ao Novo Banco pós-resolução

O projeto de lei, apresentado pelo PSD, foi aprovado esta sexta-feira na Assembleia da República. Os deputados, à exceção do PS, concordam que é “indispensável” que seja avaliado o que se passou desde a resolução do Novo Banco e seja devidamente explicada a dimensão da injeção e ajuda pública envolvida.
Comentários