Fintech portuguesa atinge 1.000 milhões de euros de pagamentos e faz doação aos bombeiros

A Ifthenpay, empresa portuguesa especializada na emissão e gestão de referências multibanco partilhadas para empresas, doou mil euros ao seu primeiro cliente, os Bombeiros de Santa Maria da Feira.

A Ifthenpay tornou-se na primeira fintech portuguesa a atingir os 1.000 milhões de euros de total de pagamentos acumulado e anunciou esta segunda-feira, 9 de abril, que, para assinalar a data, vai doar 1.000 euros aos Bombeiros de Santa Maria da Feira, o seu primeiro cliente.

A empresa portuguesa especializada na emissão e gestão de referências multibanco partilhadas para empresas, que conta com 11 mil entidades aderentes, acredita que os números se devem à popularidade das referências multibanco em Portugal – a maioria dos portugueses (mais de 80%) faz habitualmente pagamentos por referência Multibanco, quer seja nas caixas automáticas (36%) ou no homebanking (mais de 60%).

Filipe Moura, co-CEO e co-Founder da empresa de Santa Maria da Feira, pertencente ao distrito de Aveiro, afirma que “a integração tecnológica com as plataformas de e-commerce e outras plataformas que a Ifthenpay desenvolveu, democratizou as referências multibanco e trouxe-as com enorme sucesso para as plataformas tecnológicas”.

Parceira da SIBS, já que o negócio é ancorado no método nacional das referências de multibanco, a Ifthenpay cresceu 45% no ano passado, face a 2016, tendo atingido um volume de pagamentos de superior a 317 milhões de euros. O valor compara com os quase seis milhões de euros há 10 anos.

Num encontro com jornalistas a 6 de março, no qual o Jornal Económico esteve presente, o sócio-gerente já tinha antecipado que este marco, dos 1.000 milhões de euros, fosse alcançado este mês. “Deverá acontecer no final deste mês [março] ou início do próximo [abril]”, estimou Filipe Moura.

Recomendadas

Mota-Engil acusada de não pagar a empresas sub-contratadas na Colômbia

O tema é alvo de notícias nos media colombianos. Mas a Mota-Engil esclarece que são dívidas de subempreiteiros para com funcionários que “erradamente” estão a imputar à empresa enquanto empreiteiro geral. Pois “não têm qualquer relação contratual com a Mota-Engil, que sempre cumpriu as suas responsabilidades”.

António Sá da Costa nega existência de “rendas excessivas na eletricidade renovável”

Em audição na Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, o presidente da APREN defendeu que “os investimentos na eletricidade renovável trouxeram grandes benefícios para a economia e para o cidadão”.

BCE aprova administradores do Banco Santander Totta

“Com esta decisão, a totalidade dos membros propostos para o Conselho de Administração e a respetiva Comissão Executiva entra de imediato em funções plenas”, diz o banco agora liderado por Pedro Castro e Almeida.
Comentários