Fisco continua sem prazo para anular penhoras indevidas

Os avisos do Tribunal de Contas têm-se repetido ano após ano e há mais de seis anos que as recomendações do tribunal continuam por cumprir.

O Tribunal de Contas (TdC) insiste que o fisco continua sem assegurar o respeito pela legalidade e os direitos dos contribuintes quando avança com os processos de penhoras. Os avisos do TdC têm-se repetido ano após ano e há mais de seis anos que as recomendações do tribunal continuam por cumprir, noticia o jornal “Público”.

O parecer do Tribunal de Contas foi entregue esta segunda-feira pelo presidente do TdC, Vítor Caldeira, ao presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues. Nele, o TdC volta a alertar para a falta de fundamentação da máquina tributária sobre o porquê de se escolher um bem em vez de outro durante a seleção dos bens a penhorar.

“Persiste por fixar um prazo legal para a redução e o levantamento de penhoras em caso de erro”, pode ler-se no parecer à Conta Geral do Estado de 2016.

Por sua vez, a Autoridade Tributária (AT) alega que as penhoras recaem sobre os bens com valor de mais fácil realização para satisfazer essa penhora, mais adequados ao valor do crédito e “previsivelmente” suficientes para pagar a dívida.

“O sistema não deixa de assegurar o respeito integral pelas regras de competência, na medida em que aos chefes de Finanças cabe a validação ‘manual’ do cumprimento dos princípios legais vigentes na efetivação das penhoras”, garante o fisco.

Relacionadas

Penhoras de contas bancárias chegam aos 960 milhões de euros desde 2013

O valor resultanta de 319.967 ordens de penhora eletrónicas registadas, de setembro de 2013 a novembro deste ano.
Recomendadas

Desconfia de um esquema? Saiba como evitar a fraude financeira

Na realização de operações bancárias – presenciais ou digitais, está-se sujeito a diferentes tipos de fraude financeira. Saiba quais são, como identificar e como evitá-las, segundo o Banco de Portugal.

Premium“Centeno não vai deixar uma vida fácil ao sucessor”, alerta porta-voz do PSD para as Finanças

Joaquim Miranda Sarmento, professor universitário e porta-voz do PSD para a área das Finanças, defende que este Orçamento é “eleitoralista e facilitista”, com um “excesso de otimismo” que desprotege o país face aos riscos.

Veja aqui em direto o Decisores desta semana, com Ricardo Mourinho Félix

A edição do “Decisores” desta semana conta com a presença de Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado Adjunto e das Finanças.
Comentários