Fisco tem por cobrar 15,3 mil milhões de euros em impostos

Do total de impostos por cobrar, a dívida suspensa atingiu, no ano passado, os 9.123 milhões de euros, mais 560 milhões de euros face a 2016. A Autoridade Tributária e Aduaneira justifica o aumento com medidas fiscais de apoio temporário destinadas aos contribuintes afetados pelos incêndios de 15 de outubro.

A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) tem por cobrar 15.280 milhões de euros em impostos, sendo que mais de metade da dívida dos contribuintes está suspensa, revela o Relatório de Combate à Fraude e Evasão Fiscais e Aduaneiras com o balanço de 2017, divulgado nesta quarta-feira, 4 de julho.

A dívida suspensa atingiu, no ano passado, os 9.123 milhões de euros (mais 560 milhões de euros face a 2016), estando em causa dívidas fiscais que estão suspensas, seja por se aguardar uma decisão dos tribunais ou por causa de processos de insolvência.  Já a dívida activa (considerada cobrável) atingiu, no ano passado, os 6.157 milhões de euros.

“No decurso do ano de 2017, constata-se que o valor da dívida ativa diminuiu e que o valor da dívida suspensa e da dívida declarada em falhas aumentou”, realça o relatório, onde se dá conta de que a dívida ativa aumentou de 8.563 milhões de euros, em 2016, para 9.123 milhões no ano passado. A dívida declarada em falhas também registou um aumento de 953 milhões para 4.166 milhões de euros. Já a dívida suspensa registou uma quebra de 6.914 milhões para 6.157 milhões de euros, no mesmo período.

A administração fiscal explica que este aumento da dívida suspensa deveu-se, fundamentalmente, ao impacto do decreto lei de 14 de novembro de 2017 que aprovou várias medidas de apoio temporário destinadas aos contribuintes com domicílio fiscal, sede ou estabelecimento nos concelhos afetados pelos incêndios de 15 de outubro. Em causa estão medidas como a suspensão de processos de execução fiscal, bem como outros que venham a ser instaurados pela AT, pela Segurança Social ou por outras entidades que tramitem processos de execução fiscal, E ainda a prorrogação dos  prazos de cumprimento de obrigações declarativas e fiscais no âmbito da AT como os relativos ao pagamento especial por conta em sede de IRC, IVA, IMI e à entrega das retenções na fonte de IRS e IRC.

“Este aumento da dívida suspensa deveu-se, fundamentalmente, ao impacto ao Decreto-Lei n.º 141/2017, de 14 de novembro, em face dos violentos incêndios ocorridos no dia 15 de outubro que causaram avultados danos humanos e materiais, afetando gravemente a atividade económica das regiões atingidas”, explica o relatório.

O documento adianta que, por forma a promover uma pronta recuperação da economia local, aliviando as populações atingidas de uma parte das dificuldades com que se confrontam, aprovam-se várias medidas de apoio temporário destinadas aos contribuintes com domicílio fiscal, sede ou estabelecimento nos concelhos afetados.

Ler mais
Relacionadas

Inspeções a grandes empresas rendem mais 510 milhões aos cofres do Estado

A Unidade dos Grandes Contribuintes, que fiscaliza empresas e milionários portugueses, fez em 2017 um total de 407 inspeções. Acções inspetivas resultaram em correcções de impostos de 510 milhões de euros, que representam mais de 29% das correcções do fisco que ascenderam a 1.731 milhões de euros.

Dívidas fiscais prescritas caíram 31% para 435 milhões em 2017

A maior parte (60,9%) das dívidas prescritas em 2017 dizem respeito ao Imposto Sobre o Valor Acrescentado (IVA), cujo montante foi de 264,7 milhões de euros, uma redução de 30,9% comparando com 2016.

Crónica de um sufoco fiscal

O aumento da carga tributária nos últimos anos teve efeitos no mercado de trabalho. Há menos profissionais disponíveis para acumular atividades e fazer trabalho suplementar.
Recomendadas

“É muito mais fácil que o inglês”. Português ensinado em escolas públicas na Venezuela

Cerca de 150 alunos do liceu Fray Pedro de Ágreda começaram a aprender a língua há três semanas, no populoso bairro de El Valle, a sul de Caracas.

Vieira da Silva admite alargar fim do fator de sustentabilidade a outros regimes

Alteração terá de ser feita “de forma cuidada” disse o ministro do Trabalho em resposta ao deputado do Bloco de Esquerda, José Soeiro.

Leslie provocou prejuízos de 9 milhões de euros em Coimbra

Cerca de metade dos prejuízos registaram-se em equipamentos associativos, recreativos e desportivos e em instituições particulares de solidariedade social (IPSS), indicou o presidente da Câmara.
Comentários