Fitch decide manter ‘rating’ de Moçambique em ‘default’ e prevê dívida nos 102%

“A decisão reflete o falhanço do emissor em resolver o ‘default’ da dívida aos credores comerciais”, escrevem os analistas na nota que explica a decisão, tomada hoje, de manter a avaliação de Moçambique em ‘Incumprimento Seletivo’ (RD – Restricted Default, no original em inglês).

A agência de notação financeira Fitch decidiu hoje manter o ‘rating’ de Moçambique em incumprimento financeiro (‘default’) devido à incapacidade do governo para chegar a acordo com os credores ou pagar as prestações da dívida pública.

“A decisão reflete o falhanço do emissor em resolver o ‘default’ da dívida aos credores comerciais”, escrevem os analistas na nota que explica a decisão, tomada hoje, de manter a avaliação de Moçambique em ‘Incumprimento Seletivo’ (RD – Restricted Default, no original em inglês).

Os analistas da Fitch antecipam que a dívida pública deve subir para 102% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano e mostram-se céticos quando à existência de um acordo com os credores a curto prazo.

“A dívida pública, incluindo garantias, deverá subir para 102% do PIB este ano”, lê-se na nota divulgada esta noite, que argumenta que “esta métrica da dívida inclui a dívida comercial em ‘default’ e a dívida externa garantida” e sublinha que a percentagem de dívida em relação ao PIB é “altamente sensível à volatilidade das taxas de câmbio”, dada a forte percentagem de dívida que Moçambique tem em moeda estrangeira.

“A Fitch não antecipa uma resolução a curto prazo do ‘default'”, já que “mantêm-se importantes divergências entre os detentores da dívida e o governo sobre os termos da reestruturação da dívida, incluindo o tratamento a dar a diferentes classes de credores, isto é, entre os detentores de títulos de dívida soberana e os que emprestaram a empresas com garantia estatal”.

Desde que a Fitch desceu a avaliação da qualidade do crédito soberano para RD, em novembro de 2016, na sequência da divulgação, em abril, das primeiras notícias sobre a existência de uma dívida contraída à margem das contas públicas no valor de quase 1,5 mil milhões de dólares, Moçambique já falhou quatro pagamentos do cupão sobre os empréstimos e sobre a emissão de dívida soberana, feita no valor de 727,5 milhões de dólares.

No seguimento dessa quebra de confiança, os doadores internacionais cortaram o financiamento ao governo e Moçambique ficou, na prática, impossibilitado de aceder aos mercados financeiros.

Ler mais
Recomendadas

Movimento dos ‘coletes amarelos’ continua a diminuir com desorganização em Paris

O movimento dos “coletes amarelos” continua a perder fôlego, contando este sábado com cerca de 12.500 manifestantes em toda a França, segundo o Ministério do Interior, e 2.100 manifestantes em Paris, em pequenos desfiles dispersos pela capital.

Comissão política do ADI expulsa presidente eleito hoje em congresso em São Tomé

A comissão política do partido Ação Democrática Independente (ADI), na oposição em São Tomé e Príncipe, decidiu expulsar 14 militantes, incluindo Agostinho Fernandes, hoje eleito presidente do partido, por aclamação, num congresso que aquele órgão não reconhece.

Sismo de magnitude de 5,1 registado no Japão

Um abalo sísmico com uma magnitude de 5,1 na escala aberta de Richter foi hoje sentido na capital do Japão, Tóquio, não havendo informação sobre vítimas ou danos materiais elevados.
Comentários