Fitch decide manter ‘rating’ de Moçambique em ‘default’ e prevê dívida nos 102%

“A decisão reflete o falhanço do emissor em resolver o ‘default’ da dívida aos credores comerciais”, escrevem os analistas na nota que explica a decisão, tomada hoje, de manter a avaliação de Moçambique em ‘Incumprimento Seletivo’ (RD – Restricted Default, no original em inglês).

A agência de notação financeira Fitch decidiu hoje manter o ‘rating’ de Moçambique em incumprimento financeiro (‘default’) devido à incapacidade do governo para chegar a acordo com os credores ou pagar as prestações da dívida pública.

“A decisão reflete o falhanço do emissor em resolver o ‘default’ da dívida aos credores comerciais”, escrevem os analistas na nota que explica a decisão, tomada hoje, de manter a avaliação de Moçambique em ‘Incumprimento Seletivo’ (RD – Restricted Default, no original em inglês).

Os analistas da Fitch antecipam que a dívida pública deve subir para 102% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano e mostram-se céticos quando à existência de um acordo com os credores a curto prazo.

“A dívida pública, incluindo garantias, deverá subir para 102% do PIB este ano”, lê-se na nota divulgada esta noite, que argumenta que “esta métrica da dívida inclui a dívida comercial em ‘default’ e a dívida externa garantida” e sublinha que a percentagem de dívida em relação ao PIB é “altamente sensível à volatilidade das taxas de câmbio”, dada a forte percentagem de dívida que Moçambique tem em moeda estrangeira.

“A Fitch não antecipa uma resolução a curto prazo do ‘default'”, já que “mantêm-se importantes divergências entre os detentores da dívida e o governo sobre os termos da reestruturação da dívida, incluindo o tratamento a dar a diferentes classes de credores, isto é, entre os detentores de títulos de dívida soberana e os que emprestaram a empresas com garantia estatal”.

Desde que a Fitch desceu a avaliação da qualidade do crédito soberano para RD, em novembro de 2016, na sequência da divulgação, em abril, das primeiras notícias sobre a existência de uma dívida contraída à margem das contas públicas no valor de quase 1,5 mil milhões de dólares, Moçambique já falhou quatro pagamentos do cupão sobre os empréstimos e sobre a emissão de dívida soberana, feita no valor de 727,5 milhões de dólares.

No seguimento dessa quebra de confiança, os doadores internacionais cortaram o financiamento ao governo e Moçambique ficou, na prática, impossibilitado de aceder aos mercados financeiros.

Ler mais
Recomendadas

Guaidó defende relação comercial privilegiada com os Estados Unidos

Declarações do líder da oposição foram entendidas com uma resposta ao Presidente Nicolás Maduro, quando assegurou que os Estados Unidos estão por detrás de um golpe de Estado na Venezuela para se apoderarem dos seus recursos naturais.

Coletes amarelos em França prometem mais um sábado de protestos

Protestos, iniciados a 17 de novembro de 2018, têm sido marcados por atos violentos de destruição de bens públicos e privados, sobretudo na capital francesa.

Brexit: Uma câmara na fronteira pode bastar para reacender conflito na Irlanda, diz embaixadora

A embaixadora critica por outro lado a rejeição por Londres da primeira proposta europeia de ‘backstop’, que previa a extensão do mercado único à Irlanda do Norte.
Comentários