Fitch melhora rating de longo prazo da Brisa

Melhoria do rating internacional da concessionária de autoestradas decorre da envolvente e dos resultados financeiros apresentados. Esta é a primeira empresa portuguesa com rating A.

A  Brisa Concessão Rodoviária (BCR) informa em comunicado enviado à CMVM que “a agência de rating Fitch Ratings fez um upgrade da notação de rating de longo prazo da BCR de ‘BBB+’ para ‘A-’ sendo o Outlook ‘Estável’. A notação de curto prazo foi reafirmada em ‘F2’.

Este nível de rating da BCR reflete o crescimento sustentado do tráfego e o desempenho financeiro da empresa.

As agências de rating internacionais têm vindo a aumentar os ratings das empresas nacionais, depois de constatarem que a envolvente dá garantias de desenvolvimento económico e de o Estado estar a apresentar valores macro-económicos favoráveis.

Recorde-se que no final do exercício passado, os lucros da Brisa cresceram 48,4% face ao ano anterior, atingindo os 136 milhões de euros. A empresa arrecadou mais de 550 milhões com as receitas vindas das portagens.

O tráfego contribuiu para este desempenho, crescendo 7,1% face ao período homólogo.

Recomendadas

BES. Solução para sucursais exteriores pode abranger cerca de 300 pessoas

Em declarações à Lusa, António Borges, presidente da direção da entidade, congratulou-se por, “finalmente, o Governo ter enquadrado os restantes lesados numa solução”, depois de um comunicado do gabinete do primeiro-ministro ter revelado que o Governo propôs às associações de lesados das sucursais exteriores do BES uma solução semelhante à do Banif, que prevê a delimitação de lesados não qualificados com vista à criação de fundo de recuperação.

Programa de aceleração de ‘startups’ de restauração anuncia hoje os dois projetos vencedores

É a primeira edição do novo programa de aceleração da responsabilidade da Startup Lisboa, que contou com a participação de 22 concorrentes, no segmento ‘tech’ e não ‘tech’.

BPI vai sair de bolsa a 1,47 euros, dois cêntimos acima da proposta do CaixaBank

CaixaBank vai pagar 1,47 euros por cada ação aos acionistas do BPI. Nos próximos três meses haverá uma ordem permanente de compra, permitindo aos acionistas do BPI venderem as suas ações ao grupo bancário espanhol.
Comentários